Novo Aeroporto

Movimento pró-Ota considera "irrealista" proposta de Portela+1


 

Lusa/Ao online   Nacional   28 de Nov de 2007, 08:47

O porta-voz do Movimento Pró-aeroporto da Ota, Tomás Oliveira Dias, considerou hoje "irrealistas" as conclusões do estudo da Associação Comercial do Porto (ACP) que prevê apenas um equipamento complementar à Portela.
Tomás Oliveira Dias comentava à Lusa o estudo realizado pelo Centro de Estudos de Gestão e Economia Aplicada da Universidade Católica Portuguesa, a pedido da ACP, em que defende a opção Portela+1, propondo o Montijo como melhor localização embora também admita Alcochete.

    "Tudo o que seja manter a Portela a funcionar é economicamente inviável" porque "Portugal não tem condições para suportar dois aeroportos", afirmou o porta-voz do Movimento Pró-aeroporto da Ota.

    Por outro lado, o novo equipamento a construir será sempre uma infra-estrutura de "passagem" para muitos dos utilizados das linhas transatlânticas pelo que "não faz sentido, obrigar os passageiros a saírem de um aeroporto para irem para o outro", recorrendo a outro tipo de transporte.

    Para Tomás Oliveira Dias, o estudo encomendado pela ACP "é apenas uma maneira de fazer desenvolver o aeroporto Sá Carneiro" em prejuízo do resto do país.

    "Não se trata de servir esta região ou aquela mas sim o interesse nacional" e é "necessário um novo e grande aeroporto internacional para servir a Península Ibérica", defendeu.

    Até porque "Lisboa não é Paris que tem dez milhões de pessoas e conta com dois aeroportos", acrescentou Tomás Oliveira Dias.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.