Ministros da Defesa analisam crise internacional na ilha cabo-verdiana do Sal


 

Lusa / AO online   Internacional   20 de Nov de 2011, 12:11

O panorama global de crise económico-financeira, a desafiante situação mundial e as ameaças interdependentes são os temas fortes da 13.ª reunião dos Ministros da Defesa da CPLP, que decorre no fim deste mês na ilha cabo-verdiana do Sal.

Numa nota de imprensa, o Ministério da Defesa de Cabo Verde indica que a reunião, marcada para uma unidade hoteleira para os dias 28 e 29, contará com a presença de sete dos oito ministros, com Timor-Leste representado pelo secretário de Estado.

Antecedida por um encontro preparatório em que participam os diretores gerais de Política de Defesa Nacional da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), a reunião tem como pano de fundo a ideia de que as novas ameaças exigem respostas regionais e globais.

"Neste contexto, a CPLP constitui um excelente instrumento de concertação e cooperação com resultados positivos, neste caso, no setor de defesa, pois, são variados os objetivos e muitos os progressos alcançados", lê-se na nota, que realça também o a construção de uma segurança mais coletiva e cooperativa.

No encontro será analisada a situação política de segurança e defesa de cada país, aprovado o regime interno dos Ministros da Defesa, que decorre de uma orientação de Cimeira de Chefes de Estado e de Governo da CPLP, para que todas as estruturas adotem o mesmo formato no funcionamento dos respetivos órgãos;

Os sete ministros e um secretário de Estado presentes aprovarão também as conclusões do exercício FELINO, realizado em 2010, em Angola, e analisarão o estado do processo de ratificação do Protocolo de Cooperação na Defesa entre os "oito" e votada a declaração final da 13.ª reunião dos Chefes de Estado-Maior da CPLP, realizada em abril deste ano em Maputo.

A reunião dos ministros da Defesa da CPLP foi instituída em 1998 como resultado de uma necessidade em harmonizar e desenvolver uma cooperação mais forte na área da defesa de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste.

Com a institucionalização da reunião, de caráter anual, pretende-se que a CPLP seja uma parceira e que tenha capacidade para também poder contribuir em operações de manutenção de paz e assistência humanitária.

Trata-se da terceira vez que Cabo Verde acolhe o evento, que será presidido pelo ministro da Defesa cabo-verdiano, Jorge Tolentino, que assumirá a presidência da reunião durante um ano, em que coordenará todas as ações ligadas à Defesa na CPLP.

Para este efeito, é elaborado e aprovado um plano de atividades que incorpora todas as iniciativas, incluindo as ações do Centro de Análise Estratégico (CAE), o exercício FELINO, os exercícios militares e os encontros das marinhas de guerra de CPLP, entre outros.

Portugal estará representado na reunião pelo ministro da Defesa, José Pedro Aguiar-Branco.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.