Mário Soares diz que polémica com faltas dos deputados é "fait-divers"

Mário Soares diz que polémica com faltas dos deputados é "fait-divers"

 

Lusa/AO Online   Nacional   10 de Dez de 2008, 14:01

O ex-Presidente da República Mário Soares classificou hoje como um "fait-divers" a polémica com as faltas dos deputados, mas reconheceu que é "grave" se os parlamentares faltarem sistematicamente.
 "Essa é uma coisa daquelas que surgem, que é um 'fait-divers' que surge para arranjar um problema para vender mais jornal. Nessa linha eu nunca participo", afirmou Mário Soares, quando questionado sobre a polémica com as faltas dos deputados.

    O antigo chefe de Estado, que falava na Assembleia da República à saída da cerimónia de entrega do Prémio Direitos Humanos, sublinhou a propósito que em todos os Parlamento se registam faltas de deputados.

    "Não vale a pena fazer disso um caso importante, porque não é", referiu.

    Contudo, acrescentou, caso as faltas dos parlamentares sejam sistemáticas, então, já poderá ser grave.

    "Faltarem por sistema é grave, acho que sim. Mas, se num dia houve mais deputados ou menos, acho que isso é uma coisa para se fazer disso um problema anti-Parlamento", sublinhou.

    Mário Soares defendeu ainda a necessidade de fazer "trabalho pedagógico" no sentido de dar a perceber aos portugueses a importância que tem a Assembleia da República em democracia.

    "Sem Parlamento não há democracia, sem um Parlamento sério, actuante, não há democracia", disse.

    Por isso, continuou, ser deputado é "altamente honroso", pois trata-se de um serviço público que é feito em favor da democracia.

    Questionado sobre os direitos e deveres dos parlamentares, o antigo Presidente da República, que durante vários anos foi também deputado, sublinhou o facto de se tratarem de pessoas eleitas.

    "Ser deputado é um direito porque é preciso ser eleito. Não se pode entrara nesta casa sem ter sido eleito pelo povo. O povo é soberano, o povo é que confere esse direito", sublinhou.

    Além disso, continuou, é também um dever, porque os deputados têm de cumprir a Constituição.

    Nas votações de sexta-feira poderia ter sido aprovado um projecto de resolução do CDS-PP que recomendava ao Governo a suspensão da avaliação dos professores, não fossem as ausências de deputados da oposição.

    Uma contagem de votos durante a votação de um projecto do CDS-PP revelou a ausência no hemiciclo de 48 deputados, 13 do PS e 35 da oposição, dos quais 30 do PSD, três do CDS-PP, um do PCP e um dos Verdes.

    Contudo, a página do Parlamento na Internet indicava terça-feira apenas 35 ausências, das quais 12 do PS, 20 do PSD, duas do CDS-PP e uma do PCP.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.