Trabalho

Mais de metade dos desempregados não recebem subsídios

Mais de metade dos desempregados não recebem subsídios

 

Lusa/AO online   Economia   23 de Nov de 2011, 10:49

Mais de 290 mil pessoas recebiam prestações de desemprego em Outubro deste ano, o equivalente a 42,4 por cento do número total de desempregados contabilizados pelo INE.
De acordo com os últimos dados disponibilizados no ‘site’ da Segurança Social, em Outubro existiam 292.513 beneficiários de prestações de emprego, menos 4.034 pessoas do que em Setembro.

Face ao mesmo mês de 2010, o número de beneficiários de prestações de desemprego é inferior em 23.259, apesar do número de desempregados ter vindo a aumentar em Portugal.

Os últimos dados divulgados pelo INE contabilizavam no fim do terceiro trimestre do ano um total de 689,6 mil desempregados, o que fez elevar a taxa de desemprego para os 12,4 por cento.

Entre os factores que podem explicar a redução, em termos homólogos, do número de beneficiários com direito ao apoio da Segurança Social está a entrada em vigor, em Julho do ano passado, das novas regras de permanência no subsídio de desemprego, que ditou o fim desta prestação para muitos portugueses.

Entre as alterações, os beneficiários do subsídio de desemprego deixaram de poder recusar propostas de trabalho que garantam uma retribuição ilíquida igual ou superior a 10 por cento do subsídio durante o primeiro ano e ficam obrigados, no período seguinte, a aceitar ofertas de emprego de valor igual ao montante do subsídio.

Os números da Segurança Social incluem o subsídio de desemprego (cujo valor médio em Outubro foi de 540,7 euros), subsídio social de desemprego inicial (345,61 euros), subsídio social de desemprego subsequente (365,31 euros) e prolongamento do subsídio social de desemprego (317,42 euros).

Durante o mês de Outubro foram deferidos 19.286 subsídios de desemprego.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.