Magnata russo Andrei Kissilov na corrida aos Estaleiros de Viana

Magnata russo Andrei Kissilov na corrida aos Estaleiros de Viana

 

Lusa/AO online   Nacional   16 de Nov de 2012, 16:25

A empresa russa RSI Trading, que concorre à reprivatização dos Estaleiros Navais de Viana do Castelo (ENVC), integra a Corporação Financeira da Rússia do magnata Andrei Kissilov, confirmaram à Lusa várias fontes em Moscovo.

Trata-se de um grupo que realiza investimentos em diferentes áreas, nomeadamente na construção e reparação de navios, construção de plataformas onshore e componentes para plataformas offshore.

Contudo, segundo as mesmas fontes, a principal esfera de atividade é a construção naval.

Este grupo privado em menos de cinco anos tornou-se conhecido no mercado russo ao adquirir três grandes estaleiros no país, concretamente nas cidades de Volgogrado, Petrozavodsk e Nizhi-Novgorod.

Emprega naquela atividade mais de três mil trabalhadores e fatura 500 milhões de dólares norte-americanos.

A entrada deste grupo na corrida à venda do capital social dos estaleiros portugueses é justificada por fontes próximas do processo com o objetivo da Corporação Financeira Russa de crescer além das fronteiras daquele país.

A proposta pelos ENVC, que juntamente com a dos brasileiros da Rionave chegou até à fase final da reprivatização, é apresentada em Portugal pela RSI - River Sea Industrial Trading.

"Entre outras razões que levaram à participação dessa corporação na luta pela privatização dos ENVC, uma das mais importantes consiste não só em encontrar formas de expandir negócios, mas também chegar a novas tecnologias", declarou uma fonte próxima do grupo russo.

Recorde-se que nos últimos anos os estaleiros asseguraram a construção de dois navios de patrulha (com 83 metros de comprimento) para a Marinha portuguesa, de uma encomenda total de oito, entretanto revogada pelo ministério da Defesa Nacional.

Entre os anos 1980 e 90, os estaleiros de Viana construíram vários navios porta-contentores para a antiga União Soviética, período em que a empresa registou os melhores resultados em mais de 60 anos de atividade.

O projeto apresentado pelo grupo russo admite a construção em Viana do Castelo de 10 navios para transporte de gás condensado russo.

O Governo português pretende escolher o novo dono dos ENVC até final deste ano, mas o grupo que vencer o concurso não poderá vender a empresa durante um prazo de cinco anos.

O capital social dos estaleiros é composto por 5,950 milhões de ações, detidas totalmente pela Empordef, com um valor nominal, cada, de cinco euros, o que perfaz um total de 29,9 milhões de euros.

Quanto ao principal acionista do grupo russo, é descrito "muito pouco público", mas "especialista" em construção naval.

A agência Lusa teve, contudo, acesso a um relatório apresentado pelo próprio Andrei Kissilov, intitulado "Aumento do poder de concorrência da construção naval russa: revisão de modelos e de estratégia de modernização", onde propõe correções à política do Governo russo neste setor e ao incentivo da construção naval civil naquele país.

Na semana passada, o primeiro-ministro Dmitri Medvedev colocou a construção naval como um dos ramos prioritários da modernização da Rússia.

Fontes em Moscovo garantem que se a Corporação Financeira Russa vencer o negócio da reprivatização dos ENVC este será o maior investimento de capital russo em Portugal e que, sendo bem-sucedido, outros se poderão suceder.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.