Crime

Lixo hospitalar português 'transformado' em vestuário no Brasil


 

Lusa/AO online   Nacional   21 de Out de 2011, 12:18

Um operário brasileiro do município de São João da Boa Vista, em São Paulo, denunciou quinta-feira a loja onde comprou as suas bermudas, depois de reparar que o tecido do bolso possuía o logótipo de um hospital de Almada, Portugal.
“Desconhecemos a utilização do tecido lá [em Portugal], no que foi usado, que doente o usou”, afirmou António Carlos Zanelli, em declarações à emissora EpTV, filiada na Rede Globo, de São Paulo.

Pelas imagens, pode-se notar que o logótipo que aparece no tecido é o mesmo que se vê em lençóis de um hospital da cidade de Almada.

Acredita-se que o fabricante das bermudas seja uma empresa do Estado de Pernambuco, da mesma região onde a Polícia Federal brasileira apreendeu, na semana passada, 15 toneladas de lixo hospitalar norte-americano.

Nos últimos dias, quatro lojas foram fechadas por venderem lençóis hospitalares, no município de Santa Cruz do Capibaribe, a cerca de 200 quilómetros de Recife, capital do estado de Pernambuco.

Na quinta-feira, uma nova carga, de 800 quilos, que continha lençóis, fronhas e casacos usados, foi apreendida em Ilhéus, na Bahia. As informações iniciais apontam para que este material seja proveniente de hospitais brasileiros.

A vigilância sanitária determina que roupas de cama utilizadas em leitos de hospitais têm de passar por um tratamento especial no momento em que deixam de ser utilizadas, e não podem ser reaproveitadas.

Agentes da polícia federal norte-americana (FBI) chegaram quinta-feira ao Recife para participar nas investigações.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.