Livro do Papa propõe melhoria das relações com Deus, o mundo e os homens

Livro do Papa propõe melhoria das relações com Deus, o mundo e os homens

 

Lusa/AO online   Internacional   21 de Out de 2013, 09:56

O livro "Mente aberta, Coração crente", de Jorge Bergoglio, atual Papa Francisco, apresenta a vida cristã, "orientada para melhorar a vida nas relações com Deus, o mundo e os homens", segundo monsenhor Arancedo, que escreveu o prefácio da obra.

 

José María Arancedo, arcebispo de Santa Fé da Vera Cruz, autor do prólogo do livro, identifica-o como "fruto da experiência" de Bergoglio, após "um longo caminho de reflexão, preleções e retiros espirituais".

Neste livro, Jorge Bergoglio, eleito papa em março passado, "partilha estas experiências para as propor como um serviço de seguimento a Jesus Cristo", afirma monsenhor Arancedo, no prólogo, salientando que muitos destes textos surgiram de um "contexto de retiro espiritual".

Para o atual papa, realça o arcebispo argentino, "nada fica de fora da presença e da palavra de Jesus Cristo" e acrescenta, "a Bíblia, especialmente [nos] ensinamentos de Jesus, aparece como algo muito próximo do humano".

Arancelo afirma que esta obra "apresenta a figura e as palavras de Jesus como uma caminho que é humano e divino", sendo que o "divino não se afasta do humano, antes o supõe, o liberta e lhe dá plenitude".

O livro, editado pela Nascente, propõe "uma leitura meditada e orientada para o crescimento espiritual".

No final de cada texto, Jorge Bergoglio acrescenta uma reflexão que intitula "para orar e aprofundar", um convite direto ao leitor para também ele se envolver na temática abordada, um postulado "pedagógico", como se lhe refere Arancedo.

O livro divide-se em quatro partes: a primeira é "um encontro com Jesus Cristo", através dos Evangelhos, "a vida e a palavra de Jesus" ocupa a segunda, a terceira "fala da vida concreta da Igreja", e a quarta "é dedicada à oração sob o ponto de vista da nossa realidade concreta".

"A fé e a oração são os dois eixos que dão unidade e consistência a esta obra", sublinha Arancedo.

Sobre a terceira parte, o arcebispo de Santa Fé da Vera Cruz convida a uma "leitura pausada, que permita descobrirmos e amarmos esta Igreja, na sua roupagem tantas vezes tão frágil que nos desconcerta".

O arcebispo argentino realça a erudicidade de Bergoglio, a sua formação jesuítica que se nota como "recria as circunstâncias e o lugar em que Jesus se encontra com a diversas pessoas", "a familiaridade com os textos bíblicos", os conhecimentos sobre a língua e a literatura, o gosto pelos clássicos e o conhecimento e utilização de textos, entre outros, de Romano Gaurdini e Hans Urs von Baltasar.

Esta obra foi publicada originalmente, no ano passado, antes da escolha do cardeal de Buenos Aires, Jorge Bergoglio, para suceder ao papa Bento XVI que resignou.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.