Segurança

Lista negra de clientes seria "precedente grave"

 Lista negra de clientes seria "precedente grave"

 

Lusa/AO online   Nacional   18 de Ago de 2008, 11:17

Sindicato da Hotelaria do Norte considerou hoje que a criação de uma lista negra de clientes dos estabelecimentos nocturnos seria um "precedente grave" e uma medida anticonstitucional.
    "O controlo de clientes das discotecas por parte dos patrões é um precedente grave, pondo em causa direitos, liberdades e garantias", afirma a estrutura sindical, em comunicado.

    Ainda segundo o sindicato, aceitar este regime seria "dar credibilidade a propostas descabidas, desnecessárias e inconstitucionais".

    Na hipótese de o Governo vir a aceitar regulamentar o acesso aos estabelecimentos nocturnos, tal controlo "teria que ser feito pelas entidades policiais, como acontece aliás nas salas de jogo de fortuna e azar, e nunca pelos patrões", acrescenta o comunicado.

    O ministro da Administração Interna, Rui Pereira, disse dia 13 que está a estudar a possibilidade de criar um regime sancionatório para os clientes dos estabelecimentos de diversão nocturna que cometam actos ilícitos.

    O possível regime sancionatório aos clientes dos bares e discotecas que provocam desacatos foi proposto ao Ministério da Administração Interna pela Associação de Bares e Discotecas da Zona Histórica (ABDZH) do Porto.

    Em declarações à Lusa, o presidente da ABDZH, António Fonseca, precisou na altura que o regime sancionatório proposto inclui a proibição de entrada no bar ou na discoteca onde o cliente provocou desacatos ou actos de violência no passado.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.