Líderes europeus buscam acordo sobre alterações climáticas

Líderes europeus buscam acordo sobre alterações climáticas

 

Lusa/AO Online   Internacional   30 de Out de 2009, 06:10

Os líderes europeus vão tentar alcançar hoje um acordo sobre a ajuda aos países pobres no combate às alterações climáticas, após terem chegado a um compromisso para satisfazer as reivindicações do presidente checo para assinar o Tratado de Lisboa.

A conclusão do processo de ratificação do Tratado de Lisboa e o financiamento do combate às alterações climáticas são os dois temas fortes da Cimeira que decorre em Bruxelas, tendo quinta-feira os 27 "fechado" o primeiro, com um acordo "no sentido de anexar ao futuro Tratado um protocolo que responde" às pretensões de Vaclav Klaus, quanto a uma excepção para o país na aplicação da Carta de Direitos Fundamentais.

"Isto quer dizer que a diplomacia portuguesa e o seu trabalho serão finalmente reconhecidos e teremos o nome da nossa capital no Tratado", comentou o primeiro-ministro português, José Sócrates, no final do primeiro dia de trabalhos.

Já o presidente da Comissão Europeia, Durão Barroso, considerou que o acordo "eliminou a última barreira política para a entrada em vigor do Tratado de Lisboa", cujo processo de ratificação comparou a uma prova de atletismo muito particular: "Este Tratado, o novo tratado europeu tem sido uma maratona, mas uma maratona com obstáculos", disse.

Para hoje, segundo e último dia de Cimeira, fica adiada a tentativa de acordo em torno da ajuda a conceder aos países mais pobres para estes aceitarem reduzir as emissões de gazes nocivos, tendo o primeiro dia de trabalhos revelado posições ainda muito divergentes entre os 27.

Fontes diplomáticas disseram que a presidência sueca defende a necessidade de os europeus liderarem o processo e avançarem com números - no que é apoiada por países como Portugal, Reino Unido ou Dinamarca - mas a Alemanha, que lidera um grupo onde também se incluem a França e a Itália, defende que os europeus devem aguardar pelas promessas financeiras dos restantes países desenvolvidos.

Já os países de Leste, com poucos rendimentos e grandes poluidores, chefiados pela Polónia, estão dispostos a avançar em função das suas capacidades financeiras.

A Comissão Europeia calculou em 100 mil milhões de euros anuais, entre 2013 e 2020, a ajuda necessária para que os países mais pobres adoptem medidas contra as alterações climáticas.

Esta é uma das derradeiras oportunidades de haver um acordo ao nível da UE antes da conferência de Copenhaga, de 07 a 18 de Dezembro, que visa concluir um acordo que deve entrar em vigor antes de expirar a primeira fase do Protocolo de Quioto, em Janeiro de 2013, para travar de forma vinculativa as emissões de dióxido de carbono.

Admitindo que ainda há muitas diferenças entre os 27, Durão Barroso disse todavia acreditar que será possível um acordo hoje, de modo a que "a UE não perca agora a liderança que tem tido" no combate às alterações climáticas.

"Seria uma pena que, depois de tanto esforço, não conseguissemos esse acordo", disse.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.