Líder do PSD/A acusa Sócrates de centralismo


 

Lusa / AO online   Regional   21 de Nov de 2007, 15:32

O líder do PSD/Açores, Carlos Costa Neves, acusou o Governo da República de ser o “mais centralista desde o 25 de Abril”, com reflexos no desinvestimento, no próximo ano, em áreas da sua competência no arquipélago.
 “A República, claramente, desinvestiu nas áreas da sua responsabilidade nos Açores”, com o Orçamento de Estado a prever cerca de 20 milhões de euros em 2008, quando o Plano de Investimentos e Despesas de Desenvolvimento da Administração Central (PIDDAC) “chegou a atingir valores de 90 milhões de euros há alguns anos”, alegou Carlos Costa Neves.

Em entrevista à agência Lusa, após ter sido reeleito nas “directas” do PSD/Açores, o presidente dos social-democratas açorianos criticou as verbas previstas para investimentos da Administração Central nas ilhas, alegando que são “um quarto do que eram a três ou quatro anos atrás”.

Isto “quando nós sabemos que há investimentos necessários nos Açores, para além da Universidade, no domínio da Justiça e em outras áreas”, disse Carlos Costa Neves.

O líder do PSD/Açores admitiu que, em termos de transferências financeiras para a região, o Orçamento de Estado “parece normal”, mas ao nível do PIDAAC “há um claro desinvestimento”, enquanto que, em relação à Universidade dos Açores, existe uma “falta de assumpção de responsabilidades”.

Sobre a Universidade dos Açores, tutelada pelo Ministério do Ensino Superior, Costa Neves alertou que se trata de uma questão de “sobrevivência”.

 “A Espanha está a atribuir, sem escolha de nacionalidades, a alunos bolsas na ordem dos sete mil euros anuais”, alertou o dirigente social-democrata.

Adiantou, ainda, que o “Orçamento de Estado trata mal a região” em relação à regularização de dívidas para com os Açores, entre as quais as relacionadas com convergência dos preços da electricidade com o resto do país.

“Neste momento, a EDA está a aguentar com os juros altíssimos de empréstimos que tem de fazer por falta de cumprimento dos compromissos de entidades públicas da República”, criticou Costa Neves.

Para o líder do PSD/Açores, o Orçamento de Estado é, assim, um reflexo da atitude “centralista” do Governo de José Sócrates, alegando que este comportamento se materializou nas leis de Finanças das Regiões Autónomas e das Autarquias Locais.

“O Governo de Sócrates é o mais centralista desde o 25 de Abril porque é o que fez a Lei de Finanças Regionais, com toda uma filosofia centralista, e a Lei de Finanças das Autarquias, que asfixia as mais pequenas, nomeadamente as dos Açores”, acusou.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.