Açoriano Oriental
EUA/Irão
Líder do Hezbollah pede saída de tropas dos EUA no Iraque

O líder do grupo xiita libanês Hezbollah, Hassan Nasrallah, pediu hoje para que o Iraque seja libertado da “ocupação” dos EUA, dois dias depois da morte do general iraniano Qassem Soleimani, vítima de um ataque aéreo norte-americano.


Autor: AO Online/ Lusa

“O nosso pedido, a nossa esperança, o que é esperado dos nossos irmãos no parlamento iraquiano é […] adotar uma lei exigindo a saída das forças americanas do Iraque”, afirmou Nasrallhah, durante um discurso divulgado por uma estação libanesa.

O líder do grupo xiita libanês disse que a expulsão dos soldados norte-americanos do Iraque deve ser uma prioridade, no momento em que o Pentágono anunciou a chegada de 750 militares a Bagdad e se prepara para enviar mais cerca de cinco mil, para assegurar a proteção de instalações no Médio Oriente.

Para Hassan Nasrallah, os EUA devem “pagar o justo preço” por terem matado o general iraniano Qassem Soleimani.

“Os combatentes suicidas que no passado forçaram os americanos a deixar a nossa região, ainda estão aqui e são até mais numerosos”, disse o líder do Hezbollah, referindo-se às equipas de ataques terroristas que atuam no Médio Oriente.

O general Qassem Soleimani morreu na sexta-feira num ataque aéreo contra o aeroporto internacional de Bagdad que o Pentágono declarou ter sido ordenado pelo Presidente dos Estados Unidos.

No mesmo ataque morreu também Abu Mehdi al-Muhandis, o 'número dois' da coligação de grupos paramilitares pró-iranianos no Iraque, conhecida como Mobilização Popular (Hachd al-Chaabi), além de outras seis pessoas.

O ataque ocorreu três dias depois de um assalto inédito à embaixada norte-americana que durou dois dias e apenas terminou quando Trump anunciou o envio de mais 750 soldados para o Médio Oriente.



Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.