Lamy tenta novo triunfo nos 1.000 km de Silverstone

Lamy tenta novo triunfo nos 1.000 km de Silverstone

 

Lusa/AO online   Motores   12 de Set de 2008, 12:47

O piloto português Pedro Lamy (Peugeot) vai tentar domingo conseguir novo triunfo no campeonato Le Mans Series, que cumpre a quinta prova nos 1.000 quilómetros de Silverstone, Inglaterra, depois de ter ganho a prova de Nurburgring, Alemanha.
“O ideal seria vencer a prova, é isso que vamos tentar. Eu e o meu colega não temos hipóteses de vencer o campeonato, portanto temos de tentar obter o melhor resultado nesta prova e ajudar os nossos colegas de equipa, que estão na frente do campeonato, para tentar manter a liderança e sermos campeões por marcas, que é o grande objectivo da Peugeot”, afirmou Lamy à Agência Lusa.

    O piloto português e o seu colega de equipa francês Stéphane Sarrazin, aos comandos de um dos Peugeot 908 HDI, ocupam neste momento a terceira posição do campeonato de pilotos, com 21 pontos, e já não têm hipótese de chegar ao título, quando falta apenas a prova de Silverstone para o termo da temporada.

    A dupla lusa-francesa tem assim por missão fazer o possível para ajudar o espanhol Marc Gene e o gaulês Nicolas Minassian, que conduzem o outro carro da marca do leão e lideram o campeonato, a conquistar o título de pilotos, assim como contribuir para a Peugeot vencer o de construtores, que lidera neste momento com 32 pontos, mais dois que a Audi.

    No campeonato de pilotos, Lamy e Sarrazin estão a nove pontos da dupla segunda classificada, composta pelo francês Alexandre Prémat e pelo alemão Mike Rockenfeller, da Audi, que, por sua vez, está a dois pontos dos líderes Gene e Minassian.

    “É muito difícil chegarmos ao segundo posto. A não ser que o Audi desista e nós consigamos vencer ou terminar nos dois primeiros lugares. Em termos matemáticos é possível, mas em termos práticos acho complicado. Mas a nossa luta é olharmos para a prova e tentar conseguir o melhor resultado”, explicou.

    O antigo piloto de Fórmula 1 reconheceu que “vai ser uma luta renhida” e a prova “vai ser difícil”, estando o desfecho a “depender muito das afinações, de como chegar o Audi” a Silverstone.

    “Mas espero que a Peugeot esteja mais competitiva, assim como tem estado em todo o campeonato, e continue a lutar pela vitória final. Se for possível o meu carro ajudar, e se estiver em posição de ajudar o carro dos nossos colegas de equipa, temos de tentar que eles sejam campeões, que é o interesse principal da Peugeot”, reiterou.

    Lamy vê essa tarefa como “parte da estratégia” da equipa e diz que “se estivesse na mesma posição também gostaria de ser ajudado”: “Faz parte da estratégia da equipa e é por isso que estamos cá, é para defender a marca e tentar obter os melhores resultados para a equipa”.

    Sobre a temporada que agora termina em Silverstone, Lamy considerou-a como “positiva”, apesar de os resultados não terem sido constantes, e sublinhou que “o grande balde de água fria foi (as 24 horas de) Le Mans para toda a equipa”.

    “Nós não conseguimos vencer, os nossos colegas também não, apesar de termos tido o carro mais rápido nas 24 horas de Le Mans. Em termos de campeonato as coisas têm corrido bem e mal, bem e mal. Tivemos duas corridas em que não pontuámos (Barcelona e Spa) e outras duas que vencemos (Monza e Nurburgring). Agora nesta prova vamos ver, espero que corra bem. Realmente as coisas não têm corrida da melhor forma, mas não tem a ver com a competitividade do carro”, justificou.

    Lamy acrescentou que os carros da equipa têm-se “mostrado bastante competitivos”, mas não foi possível “ser consistente, o que, em termos de campeonato, é o mais importante”.

    Os 1.000 quilómetros de Silverstone começam hoje, com duas sessões de treinos livres. Sábado, os pilotos realizam de novo treinos, de manhã, antes de disputarem as qualificações para a corrida, marcada para domingo, a partir das 11:20 locais (mesma hora em Lisboa).

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.