Julgamento do caso Casa Pia entra no quinto ano: abusos sexuais contra menores baixaram em 2008


 

Lusa/AO On line   Nacional   23 de Nov de 2009, 05:28

 Depois de uma explosão no número de casos de abuso sexual de menores após o início do processo Casa Pia, cujo julgamento entra quarta-feira no quinto ano, só no ano passado o número de inquéritos começou a descer.

Segundo os números do último Relatório Anual de Segurança Interna, divulgado este ano, no ano de 2003, que se seguiu à divulgação dos abusos sexuais de menores na Casa Pia, assistiu-se a um aumento brutal do número de casos de crimes sexuais contra menores: de 599 casos investigados pela PJ em 2002, o número subiu para 1313.

Embora tenha registado uma descida no ano seguinte, de 2002 a 2007 a tendência foi de subida gradual, tanto que em 2008 um relatório do Grupo de Prevenção do Abuso e do Comércio Sexual de Crianças Institucionalizadas, na dependência da Procuradoria-Geral da República, assinalava que naqueles anos o número de crimes tinha triplicado.

O relatório, divulgado em Abril do ano passado, registava ainda a tendência "muito preocupante" de diminuição de idade das vítimas e aumento dos crimes cometidos sobre crianças com menos de cinco anos entre 2003 e 2007.

Em 2007, o número atingiu um pico: 1426 casos de crimes sexuais contra menores, que resultaram em 146 detenções.

Contudo, em 2008, e pela primeira vez em vários anos, o número de casos desceu, embora se mantenha bem acima dos registados antes do início do processo Casa Pia: 1382 inquéritos, que resultaram em 95 detenções.

O relatório do Grupo de Prevenção destacava que em mais de um terço dos casos os crimes sexuais ocorriam dentro da família e em 46,14 por cento das situações dentro da própria residência.

Contudo, o relatório de 2008 destacava que o aliciamento pela Internet era uma "tendência crescente" nos crimes de perfil sexual cometidos sobre crianças.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.