Sociedade

Julgamento da mulher que envenou a filha inicia-se


 

Lusa/AOonline   Nacional   27 de Out de 2008, 10:08

O julgamento da mulher acusada de ter envenenado a filha de dois anos durante uma visita à criança que estava à guarda de uma instituição tem início agendado esta segunda-feira no tribunal de Vara Mista do Funchal.
O julgamento acontecerá com recurso a tribunal de júri, uma situação que é rara na história da justiça na Madeira, estando apenas registados nos últimos tempos os casos do padre Frederico Cunha (1993) e de pedofilia de estrangeiros (holandês e belga) na década de 90.

    Este processo remonta a Novembro de 2007, quando uma mulher, que agora é acusada de homicídio qualificado, durante a visita que fez à filha numa instituição (Fundação Cecília Zino) porque a guarda lhe fora retirada por decisão do Tribunal de Família e Menores, deu à criança um sumo, a que alegadamente terá adicionado um produto tóxico.

    A menina com dois anos acabou por falecer e a mulher, que também bebeu do mesmo líquido, esteve internada nos Cuidados Intensivos do Hospital Central do Funchal mas sobreviveu e aguardou o desenrolar do processo internada na Casa de Saúde do Funchal destinada a pessoas com doenças do foro mental, não chegando a ser detida pelas autoridades.

    As investigações foram conduzidas pela Policia Judiciária que considerou este caso como “um eventual homicídio de uma criança, seguida de [tentativa de] suicídio da mãe".

    Quanto aos elementos do júri (quatro efectivos e quatro suplentes) foram seleccionados com base nos cadernos eleitorais.

    O julgamento já tem uma segunda data agendada, 24 de Novembro, pelas 14 horas.

    A Casa de Saúde Câmara Pestana onde a arguida está internada é interveniente acidental neste processo.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.