Açoriano Oriental
Jovens com problemas de exclusão social 'aproximam-se' da comunidade com peça de teatro
Um sótão transformado em igreja para o casamento de uma princesa amaldiçoada é a 'casa dos horrores' encenada por jovens com problemas de exclusão social, numa iniciativa promovida por uma instituição de solidariedade social dos Açores para "quebrar barreiras".
Jovens com problemas de exclusão social 'aproximam-se' da comunidade com peça de teatro

Autor: Lusa/AO online

"O principal objetivo é estabilizá-los e motivá-los para um reingresso escolar, nomeadamente agora com o alargamento da escolaridade obrigatória isto é cada vez mais justificável", afirmou Ana Pereira, coordenadora do Centro de Apoio Social e Acolhimento (C.A.S.A.), na Ribeira Grande, frisando, em declarações à Lusa, que "é preciso quebrar barreiras" para abrir estes jovens à comunidade.

Num cenário construído ao pormenor, uma dezena e meia de personagens dão vida e espalham o terror no 'Sótão dos Horrores', onde, durante 15 minutos, os visitantes podem acompanhar as cenas do casamento da princesa Amélia, que foi amaldiçoada por uma bruxa, e todos os percalços desta história, cujo final é uma incógnita.

A ideia surgiu há três anos na valência Centro de Desenvolvimento e Inclusão Juvenil, que integra jovens em situação de absentismo escolar, exclusão social em situação de dependências, salientando Ana Pereira que a iniciativa pretende "possibilitar um contacto mais próximo destes jovens com a comunidade e potenciar o desenvolvimento de competências".

“Este público-alvo é bastante exigente e obriga constantemente a novas respostas”, frisou a coordenadora da instituição, destacando o "grande sucesso" da iniciativa que, além de integrar o cartaz dos festejos de 'Halloween', permitiu também uma parceria com a escola secundária local numa "experiência-piloto para evitar o abandono escolar".

Nesta representação do 'Sotão dos Horrores', "os convidados chegam à igreja, sentem que algo não está bem, que se passa alguma coisa devido à intervenção da bruxa, e tentam salvar o casamento de Amélia".

O sucesso desta missão é um segredo que apenas vão descobrir os que se aventurarem a entrar neste espaço de "labirintos com cenários de horrores, onde o noivo aparece várias vezes morto num caixão".

"A saga de Amélia já dura há três anos. Este ano, ela tentou encontrar o príncipe encantado para casar e a dúvida é saber se vai haver casamento, se a bruxa vai deixar", frisou Ana Pereira.

 
PUB
Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.