Política

Jardim diz que madeirenses já mostraram que não dependem de ninguém

Jardim diz que madeirenses já mostraram que não dependem de ninguém

 

Lusa/AO online   Regional   1 de Nov de 2012, 14:03

O presidente do Governo da Madeira disse hoje que se o Estado português não arcar com as suas responsabilidades em relação à região, os madeirenses vão ser capazes de fazer um futuro melhor "sem depender de ninguém".

"Se o Estado português não for capaz de arcar com as suas responsabilidades, nós, povo madeirense, já demonstrámos que temos a força para sozinhos arcamos com as nossas responsabilidades e fazermos um futuro que não dependa de ninguém", disse Alberto João Jardim na freguesia do Curral das Freiras, concelho de Câmara de Lobos, numa visita à Festa da Castanha, uma das produções agrícolas mais importantes daquela localidade. Alberto João Jardim, que se dirigiu aos visitantes estrangeiros em inglês e aos "amigos emigrantes", declarou que os madeirenses "não se deixarão vencer pela crise e vão enfrentá-la com coragem, sem perder tempo com coisas secundárias, sem aturar os espíritos malignos que andam no mundo para atormentar as almas", nem pela "burguesia rica da Madeira velha". "Tenho pensado muito sobre o futuro do povo da Madeira, fomos capazes de dar uma grande volta nisto. Somos um pequeno território e pouca gente, mas fomos apanhados num turbilhão de uma grande crise europeia que os grandes movimentos e os grandes grupos financeiros internacionais fizeram e os governos dos estados democráticos não tiveram força para impedir e agacharam-se ao poder financeiro", argumentou. Instado pelos jornalistas a pronunciar-se sobre se está confiante na vitória nas eleições diretas no PSD-Madeira que se disputam na sexta-feira, disse: "amanhã é dia de finados". Pela primeira vez, Alberto João Jardim vai defrontar um adversário na corrida à liderança, o presidente da câmara do Funchal, Miguel Albuquerque. Também na festa da castanha, o diretor regional da Agricultura da Madeira, Bernardo Araújo, referiu que há uma estimativa que aponta para uma redução de 20 por cento na produção de castanha este ano, "devido a falta de água que afetou também esta cultura". Segundo este responsável, na última década registou-se um aumento de 21 por cento no que diz respeito à área de cultivo da castanha, que passou dos 78 para os 94 hectares, e um acréscimo na produção que "subiu de 63 para 76 toneladas, o que é sinal que agricultores apostam nesta cultura", sendo que o valor produtivo "passou de 60 mil para 120 mil euros no ano passado". Este responsável mencionou ainda que, no que se refere à importação, "há dez anos o valor era de 63 toneladas e diminuiu para 30, o que significa que a Madeira está a ir no caminho certo para valorizar esta produção" indo buscar menos ao exterior.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.