IRAE combate economia paralela que representa 32% da economia

IRAE combate economia paralela que representa 32% da economia

 

Paulo Faustino   Regional   7 de Dez de 2013, 18:02

A Inspeção Regional das Atividades Económicas (IRAE) já levou a cabo 1.706 ações inspetivas no âmbito do Plano Operacional de Combate à Economia Paralela implementado pelo Governo dos Açores, estimando que a atividade ilegal represente 32 por cento do total da atividade económica do arquipélago.
Para o presente ano, o objetivo era concretizar uma ação pedagógica em setores mais visados pela economia paralela e, igualmente, concretizar 60 por cento da atividade inspetiva em ações fiscalizadoras. Significa isto, de acordo com uma nota do gabinete de imprensa do Governo Regional (GACS), que a IRAE conseguiu superar o objetivo traçado no final do primeiro trimestre de 2013, altura em que foi criado o Plano de Combate à Economia Paralela. A Inspeção fiscalizou um conjunto de 24 atividades económicas, mais precisamente o comércio, a restauração, a venda ambulante, as oficinas de reparação de automóveis, a construção civil e os cabeleireiros, entre outros. Segundo GACS, as ações inspetivas foram realizadas em todas as ilhas dos Açores, sendo de destacar que 41 por cento destas ações decorreram em São Miguel, 17 por cento no Pico, 16 por cento no Faial e 11 por cento na Terceira, com as restantes ações divididas pelas outras cinco ilhas. Ainda de acordo com a mesma fonte, a IRAE concretizou outras medidas programadas, como a partilha do Plano de Combate à Economia Paralela com parceiros sociais, a sensibilização da temática feita a empresários e consumidores e o desenvolvimento de um programa educacional sobre a necessidade de combater a economia paralela, que será introduzido nas escolas em 2014.
A economia paralela, que não se reflete no produto oficial da Região, nem entra na quantificação do PIB, vai continuar a ser combatida em 2014.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.