Governo dos Açores diz que integração de migrantes passa pela participação

Governo dos Açores diz que integração de migrantes passa pela participação

 

Lusa/AO Online   Regional   8 de Mar de 2019, 15:43

O secretário regional da Presidência do Governo dos Açores para as Relações Externas destacou, esta sexta-feira, a diversidade como “fio condutor” da construção da identidade açoriana e a participação ativa dos migrantes na integração.

Rui Bettencourt falava na sessão de abertura do seminário internacional "Integração e Diversidade", no Teatro Micaelense, em Ponta Delgada, que integrou as conferências internacionais Metropolis e que antecedeu a reunião do Comité de Direção do grupo, que se realiza no sábado, na Lagoa, também na ilha de São Miguel.

O secretário regional destacou como aspeto essencial da diáspora açoriana o equilíbrio entre a identidade cultural e a “participação ativa” na construção de “novos mundos e novas sociedades”.

Bettencourt lembrou que a região sempre conviveu com o fenómeno migratório, referindo os que chegaram de “vários horizontes” e participaram na construção e na identidade dos Açores, bem como os que partiram "rumo a vários horizontes” e enriqueceram, com a sua cultura e trabalho, "outras paragens do mundo”.

Sobre a comunidade de mais de um milhão de açorianos espalhados pelo mundo, Rui Bettencourt ressalvou as “estratégias de preservação e valorização” da diáspora e a implementação de “mecanismos de participação de todos no projeto de desenvolvimento dos Açores”.

Referiu, como exemplo, o Conselho da Diáspora Açoriana, organismo cuja criação foi anunciada pelo presidente do Governo Regional durante a visita oficial ao estado norte-americano da Califórnia, no mês passado.

Segundo os dados mais recentes do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), que remontam a 2017, residem nos Açores cerca de quatro mil estrangeiros, um número que aumentou em relação a 2016.

As comunidades mais representadas na região são a brasileira, cabo-verdiana, chinesa e de países europeus como o Reino Unido, França ou Alemanha, explicou o diretor regional das Comunidades, Paulo Teves.

Em declarações aos jornalistas, Paulo Teves esclareceu que a criação do Conselho da Diáspora Açoriana, projeto que está a ser trabalhado, visa “congregar as várias comunidades e esse património açoriano no processo de desenvolvimento da região, para além de enriquecer a defesa das comunidades lá fora”.

O seminário "Integração e Diversidade" junta na maior cidade açoriana quase duas dezenas de oradores nacionais e internacionais.

O evento integra a rede Metropolis, um grupo internacional com mais de 60 parceiros de 23 países, que reúne, este sábado, no concelho da Lagoa, o Comité de Direção para discutir, entre outras questões, as diretrizes gerais do projeto.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.