Governo anuncia colocação de 808 professores, sindicatos reconhecem aumento mas alertam para falta de estabilidade

Governo anuncia colocação de 808 professores, sindicatos reconhecem aumento mas alertam para falta de estabilidade

 

Lusa/AO online   Regional   29 de Ago de 2012, 14:39

O Governo dos Açores anunciou a colocação de 808 professores nas escolas do arquipélago no próximo ano letivo, mas os sindicatos, apesar de reconhecerem o aumento registado, alertam para a "falta de estabilidade"

"Reconhecemos o aumento do número de colocações este ano, embora venha compensar a diminuição de anos anteriores", afirmou Sofia Ribeiro, presidente do Sindicato Democrático dos Professores dos Açores (SDPA), em declarações à Lusa, alertando que "estes docentes continuam a não ter qualquer estabilidade”.

Sofia Ribeiro salientou que os docentes agora contratados "não têm sustentação normativa que lhes dê esperança de colocação no próximo ano letivo, ficando dependentes da volatilidade do governo".

Por seu lado, António Lucas, presidente do Sindicato dos Professores da Região Açores (SPRA), apesar da satisfação com o aumento das contratações, frisou que “os horários correspondem a necessidades transitórias do sistema, enquanto as vagas são necessidades permanentes”, acrescentando que a expectativa dos docentes contratados é que “no próximo concurso interno os horários se transformem em vagas”.

Para este dirigente sindical, o aumento das contratações registado este ano resulta da redução do número de alunos por turma, que passou de 25 passa para 23, e do reforço das disciplinas de Português e Matemática nos 2.º e 3.º ciclos com mais 45 minutos por semana.

A Secretaria Regional da Educação anunciou que, entre as 832 vagas do concurso para contratação a termo resolutivo, foram colocados 808 dos 4.889 docentes que concorreram, considerando que estes dados representam um “aumento significativo de vagas e colocações em praticamente todas as modalidades de ensino”.

Os dados do executivo indicam que se registou neste concurso um aumento de 26 por cento de candidatos opositores à oferta de emprego em 2012, quando comparado com o ano anterior, verificando-se também um aumento na taxa de colocações relativamente ao ano anterior.

Segundo a Secretaria Regional da Educação, o aumento do número de vagas verificado decorre fundamentalmente da necessidade de garantir de forma sustentada a extensão da escolaridade obrigatória para 12 anos e até aos 18 anos de idade e da continuidade da política educativa no sentido de promover a igualdade de oportunidades, valorizar a educação e melhorar a qualidade do ensino.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.