Fundação de Évora atribui apoios de emergência a mais de mil famílias

Fundação de Évora atribui apoios de emergência a mais de mil famílias

 

Lusa / AO online   Nacional   6 de Out de 2013, 12:00

Mais de mil famílias de Évora com carências económicas foram apoiadas financeiramente, no primeiro semestre deste ano, pela Fundação Eugénio de Almeida (FEA), que regista um aumento de pedidos, vindos, "cada vez mais, de pessoas jovens".

 

Os apoios inserem-se num fundo de emergência social da FEA e são atribuídos, em colaboração com a Cáritas Diocesana de Évora, a “pessoas em situação de necessidade”, disse hoje à agência Lusa a secretária-geral da fundação, Maria do Céu Ramos.

Em comparação com igual período do ano passado, revelou, a FEA regista “um ligeiro aumento” da procura, com os pedidos a chegarem “cada vez mais” de carenciados jovens.

“Tem havido um aumento dos fundos disponibilizados pela fundação e um aumento da procura. Uma das preocupações que sentimos, através da informação que nos chega, é que há cada vez mais gente jovem”, afirmou.

Segundo Maria do Céu Ramos, não são muitos “os mais idosos que se socorrem e que recorrem a este tipo de apoios”.

“É cada vez gente mais nova, desempregada, em situação de carência e que não encontra recursos alternativos”, sublinhou, adiantando que o fundo auxilia, sobretudo, população urbana, não tanto a rural.

O fundo de emergência é um dos três eixos da intervenção social da Fundação Eugénio de Almeida e, este ano, comporta um montante de cerca de 150 mil euros.

Em jeito de balanço, a secretária-geral da FEA revelou que, no primeiro semestre do ano, devido à crise económica e financeira que o país atravessa, “mais de mil famílias” da região “foram apoiadas”.

Trata-se sobretudo, continuou, de “ajudas para as despesas domésticas, para pagar a renda da casa, para acudir a necessidades de emergência, para medicamentos”, exemplificou.

“São pequenas ajudas de emergência, mas que, como todos sabemos, são prioritárias neste momento”, frisou.

Além desta iniciativa, as outras duas prioridades da FEA na área social são o voluntariado, com a dinamização de grupos de apoio e capacitação técnica de voluntários, e a formação de técnicos e dirigentes do 3.º setor, de instituições no campo da economia social, cooperativas e associações culturais e sociais.

No ano passado, a fundação destinou uma verba global de aproximadamente 400 mil euros para apoios e subsídios na área social, parte da qual consistiu na dotação de 2012 do fundo de emergência.

A FEA está a celebrar, este ano, cinco décadas de existência, assim como o centenário do nascimento do seu instituidor, Vasco Maria Eugénio de Almeida.

A promoção do desenvolvimento integrado da região de Évora numa perspetiva de valorização do capital humano e da sustentabilidade, através da criação de oportunidades culturais, educativas, sociais e espirituais para as pessoas, é a missão da instituição.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.