Educação

Fenprof estima que mais de 35 mil professores vão ficar sem colocação


 

Lusa / AO Online   Nacional   29 de Ago de 2008, 15:33

A Federação Nacional de Professores (Fenprof) estima que possam ser entre 35 mil e 40 mil os docentes sem colocação este ano, tendo agendado acções de protesto para segunda-feira, dia em que mais professores "entram para o desemprego".
A Fenprof lançou - quando está prevista a divulgação das listas de colocação de professores contratados - um comunicado alertando para a "inaceitável dimensão do desemprego docente" e "crescente precariedade" no sector.

    "Estamos em crer que a situação se vai manter ou mesmo agravar: 35 a 40 mil professores, se não forem mais, não vão poder exercer as suas funções", disse à agência Lusa João Louceiro, coordenador nacional da Fenprof.

    "1 de Setembro é a data em que um maior número de professores entra, em simultâneo, na situação de desemprego", acrescentou, garantindo que a maioria dos docentes sem colocação este ano já exercia funções no ano passado.

    Além dos desempregados, João Louceiro denunciou ainda a situação dos "milhares de colegas a trabalhar em precariedade absoluta".

    "Existem cerca de 15 mil professores que foram chamados para desenvolver o projecto de actividades de enriquecimento curricular do primeiro ciclo. A grande maioria dos professores destacados para este programa, que era uma bandeira política do Governo, está a exercer essas funções a recibos verdes, como sendo prestadores de serviços", criticou.

    Segunda-feira a Fenprof vai denunciar a situação "em todo o país" através de acções à porta dos Centros de Emprego, onde serão distribuídos comunicados à população. Em Lisboa, a acção decorrerá em frente à Loja do Cidadão das Laranjeiras.

    A agência Lusa contactou o Ministério da Educação, mas não obteve qualquer resposta até ao momento sobre as críticas da Fenprof.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.