Gripe A H1N1

Falta de camas nas UCI poderão originar "problemas éticos" aos médicos


 

Lusa/AO Online   Nacional   6 de Nov de 2009, 11:03

O director do Serviço de Pneumologia do Hospital de S. João, Porto, alertou hoje para os problemas éticos com que os médicos poderão ter de lidar no pico da pandemia da gripe A quando se confrontarem com a falta de camas nos cuidados intensivos.

"A falta de vagas [na UCI] vai acontecer seguramente porque além da gripe, vão continuar a ocorrer outras emergência. Os enfartes não vão parar e será preciso decidir quem ocupará a vaga existente", disse Agostinho Marques, o director do Serviço de Pneumologia do Hospital de S. João e director da Faculdade de Medicina do Porto.

No entender de Agostinho Marques, os médicos irão confrontar-se com "problemas de natureza ética enormes" e alguns terão de ir a tribunal "por não fazerem o que deveriam ou por fazerem demais".

"A sociedade é hoje muito reactiva e ninguém aceita a morte de um filho de 20 anos", frisou.

O pneumologista falava nas Jornadas de Patologia Respiratória em Medicina Familiar da faculdade de Medicina da Universidade do Porto.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.