EUA

Falhas humanas e sistémicas" permitiram embarque de terrorista da Al-Qaeda


 

Lusa/AO Online   Internacional   30 de Dez de 2009, 10:10

O presidente dos Estados Unidos afirmou hoje que a "violação de segurança potencialmente catastrófica" que permitiu que um terrorista da Al-Qaeda embarcasse num voo norte-americano com explosivos resultou de uma combinação de "falhas humanas e sistémicas".

"Quando o nosso governo tem informações sobre um extremista conhecido e essa informação não é compartilhada e operacionalizada como deveria ser, então um extremista embarca num avião com explosivos perigosos que podem custar cerca de 300 vidas", criticou Barack Obama, numa declaração a partir de uma base dos fuzileiros no Havaí, onde está a passar férias.

"Aconteceu uma falha sistémica, e eu considero isso totalmente inaceitável", vincou.

Numa acção já reivindicada pela Al-Qaeda, o nigeriano Umar Faruk Abdul Mutallab, de 23 anos, embarcou no voo 253 da Delta-Northwest Airlines e só não detonou os explosivos a bordo no dia de Natal, sobre a cidade de Detroit, devido a uma "falha técnica", segundo afirmou a própria organização terrorista.

Antes, passou por controlos de segurança em Lagos (Nigéria) e em Amesterdão (Holanda), sem que os detectores de metais tivessem detectado a presença de explosivos.

O autor confesso da tentativa de atentado estava referenciado pela inteligência norte-americana, depois de a própria família ter feito advertências para as suas tendências extremistas. Segundo a CNN, o pai de Abdul Mutallab terá inclusivamente falado com a CIA (serviços secretos).

Hoje, Obama afirmou que irá receber na quinta-feira os resultados preliminares sobre os lapsos que permitiram a falha, relatório a cargo de uma dupla de investigadores.

"Houve uma combinação de falhas humanas e sistémicas que contribuíram para esta falha de segurança potencialmente catastrófica", sublinhou.

Obama saiu em defesa da secretária de Segurança Interna, Janet Napolitano, cuja demissão está a ser reivindicada por alguns parlamentares republicanos, depois de ter dito que o sistema de segurança de aviação funcionara durante a tentativa de ataque.

"Como a secretária Napolitano disse, assim que o suspeito tentou a queda do voo 253, depois da tentativa, é claro que os passageiros e a tripulação, os nossos sistemas de segurança interna e a nossa segurança de aviação tomaram todas as medidas apropriadas", disse o presidente norte-americano.

No domingo, Obama anunciou que vão ser revistos os procedimentos de segurança dos aeroportos e as listas de suspeitos de terrorismo.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.