Europa será "mais forte, mais sólida" com Tratado de Lisboa

Europa será "mais forte, mais sólida" com Tratado de Lisboa

 

Lusa/AO Online   Internacional   2 de Dez de 2009, 05:39

A Europa torna-se “mais forte e mais sólida” com a entrada em vigor do Tratado de Lisboa, uma “grande tarefa” que permite ao espaço dos 27 recuperar “forma, vitalidade, energia e visão”, disse hoje José Luis Rodríguez Zapatero.

“Aos 27 países, amigos, sócios da UE, convoco-vos para a tarefa que começa amanhã, uma grande tarefa pelo que tantos europeus, durante tantas gerações, deram o melhor de si”, afirmou o primeiro-ministro espanhol, na cerimónia em Belém que marca a entrada em vigor do Tratado de Lisboa.

Saudando o facto de estar novamente em Lisboa, “uma cidade mais europeia que nunca”, Zapatero afirmou que a Europa “é grande” e que agora “cresceu e enriqueceu” com novos líderes e instituições reforçadas para o “projecto mais ambicioso desde o nascimento da democracia”.

“Hoje, com o Tratado de Lisboa, será ainda mais forte, será ainda mais sólida, será ainda mais um projecto virado para uma ordem internacional de paz, de entendimento, multilateralista, de avanços a favor da igualdade, da cooperação para o desenvolvimento e da luta contra pobreza e miséria”, afirmou.

“A Europa é paz, sim. Democracia, claro, e entendimento e abertura ao exterior, mas é também o continente que mais dedica ajuda a favor dos mais pobres, mais cooperação ao desenvolvimento”, afirmou.

Para Zapatero trata-se dos “grandes ideais europeus”, hoje renovados com a entrada em vigor do Tratado de Lisboa, depois do primeiro-ministro português, José Sócrates ter cumprido “brilhantemente” a sua tarefa de conseguir o acordo e da Suécia ter conseguido concluir a sua ratificação.

“Alegra-me muito que tenha sido nesta cidade (que se aprovou o Tratado). Para um espanhol é bom que todos recordemos esta nova etapa com Lisboa”, afirmou.

Agora, cabe responder à esperança dos cidadãos, que “esperam com expectativa esta nova etapa”, marcada por “novos êxitos”.

“Esperamos que sejamos essa economia forte que lidera a inovação e que mantenha o estado de bem-estar social. Que o novo conselho e a liderança da sua presidência sejam a grande influência no mundo, a favor da paz e do equilíbrio internacional”, disse.

Espanha, disse, é um país “europeísta, solidário, agradecido com a Europa” e que “conheceu um grande progresso da mão da sua integração” europeia, pelo que “permanecerá leal à Europa, aos seus valores, princípios, objectivos e instituições”.

José Luis Rodríguez Zapatero falava em Lisboa, na cerimónia que marca a entrada em vigor do Tratado de Lisboa, que decorre à frente da Torre de Belém e onde estão presentes as principais individualidades europeias e portuguesas.

Já hoje, questionado pela Lusa sobre o futuro imediato, o primeiro-ministro espanhol manifestou-se convicto de que Espanha vai contar com “o apoio pleno” de Portugal à presidência espanhola da UE.

“De Portugal sei que vou contar com o apoio pleno na presidência espanhola da UE”, afirmou.

“Coincidimos em políticas e estratégias. Isso é muito bom para os dois países. É muito bom para a projecção da comunidade ibero-americana”, disse, referindo-se à “tarefa conjunta que Espanha e Portugal fazem em praticamente todas as frentes da política da UE e da política internacional”.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.