Estados Unidos reafirmam oposição à independência de Taiwan


 

Lusa/AO   Internacional   6 de Nov de 2007, 05:18

O secretário norte-americano da Defesa, Robert Gates, reafirmou hoje a oposição “categórica” dos Estados Unidos à independência de Taiwan, considerada pela China como uma província e apoiada militarmente por Washington.
“Existe realmente uma inquietude (chinesa) sobre o que é entendido como uma tentativa de declarar a independência”, afirmou Gates, após uma reunião em Pequim com o presidente chinês Hu Jintao.

    “Reiterei a nossa oposição categórica relativamente a qualquer tentativa unilateral visando alterar o status quo (…) voltei a dizer que o governo norte-americano foi claro nas suas mensagens enviadas a Taiwan”, acrescentou.

    Taïwan, designada oficialmente como República da China, perdeu em 1971 o seu assento nas Nações Unidas, em benefício da República Popular da China, da qual se separou em 1949, após uma guerra civil.

    O presidente de Taiwan, Chen Shui-bian, está determinado a organizar, na Primavera de 2008, um referendo sobre o regresso de Taiwan ao seio das Nações Unidas, uma iniciativa considerada por Pequim como um primeiro passo rumo a uma declaração formal de independência.

    Cerca de 900 mísseis chineses estão posicionados contra Taiwan e a China dispõe igualmente de mísseis de longo alcance mais sofisticados, de aviões de combatem, de navios de guerra e de submarinos, de acordo com Washington, que é o principal fornecedor de armas da ilha.

    Gates termina hoje uma visita de dois dias à China destinada a reforçar as ligações militares entre os dois países, mas também a pedir mais transparência ao gigante asiático no domínio da Defesa.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.