Entre 10 a 15 por cento dos turistas portugueses pedem quartos específicos para não fumadores


 

Lusa/Ao online   Nacional   6 de Dez de 2007, 11:09

Entre 10 a 15 por cento dos turistas portugueses pedem quartos específicos para não fumadores, uma realidade que as agências de viagens acreditam se alterará com a nova lei do tabaco, dando lugar a pedidos específicos para fumadores.
Segundo João Welsh, vice-presidente da Associação Portuguesa de Viagens e Turismo(APVT), actualmente existe um segmento de consumidores que, ao marcar as suas férias, questiona os agentes de viagens acerca da existência de quartos para não fumadores.

    Em declarações à agência Lusa durante o XXXIII Congresso da APAVT, que decorre em Búzios, Brasil, até sexta-feira, João Welsh estimou que a partir de 01 de Janeiro este cenário se venha a inverter.

    “Com as mudanças actuais em Portugal talvez se assista a uma inversão do que acontecia há alguns anos e passem a ser os fumadores a pedir quartos específicos para quem fuma”, admitiu.

    O vice-presidente da APAVT considera que as novas regras “não terão impacto nos fluxos de turistas”, tal como não teve efeito a entrada em vigor de leis mais restritivas em alguns pontos da Europa.

    João Welsh salientou ainda a capacidade de adaptação da oferta hoteleira, apontando como exemplo o surgimento em Portugal de unidades livres de fumo.

    O Hotel Candelária, em Cabeço de Vide, concelho de Fronteira, distrito de Portalegre, foi uma das primeiras unidades hoteleiras do país a assumir-se como 100 por cento livre de fumo quando abriu as portas em Maio último.

    Seis meses depois, o gerente do espaço, Pedro Policarpo, considera uma aposta ganha o investimento de cinco milhões feito pelo grupo Xavier de Lima nesta unidade.

    "Antecipámos a entrada em vigor da lei por uma questão de saúde, bem-estar e tranquilidade porque mesmo os fumadores se sentem incomodados com o fumo do tabaco dos outros", disse à Agência Lusa, revelando que os clientes que ali procuram alojamento são em partes iguais não fumadores e fumadores.

    O responsável admite que a aposta num espaço "saudável" afastou alguns clientes, mas trouxe outros tantos, com os níveis de ocupação a oscilarem conforme os meses.

    "Ganhámos clientes, mas também perdemos, uma vez que várias pessoas que costumavam aqui vir jantar já não vêm porque gostam de beber um conhaque e fumar um charuto e tinham que o fazer no parque de estacionamento", disse.

    Quanto aos novos clientes que são fumadores, Pedro Policarpo garante nunca ter tido más reacções mesmo quando as pessoas são surpreendidas pela medida inovadora, até porque considera que os portugueses se têm revelado "mais respeitadores" dos outros.

    O hotel Candelária é uma das raras unidades hoteleiras livres de fumo em Portugal, uma realidade que a Associação de Hotéis de Portugal (AHP) acredita que será alargada à maioria dos hotéis portugueses com a entrada em vigor da nova legislação sobre o tabaco a 01 de Janeiro.

    "Quando a legislação entrar em vigor os hotéis irão na generalidade adoptar o estatuto de estabelecimentos não fumadores, mantendo as unidades de maior dimensão espaços múltiplos" para fumadores e não fumadores, disse à Lusa fonte da AHP, sublinhando, contudo, que o "mais importante é consciencializar os fumadores".

    A associação que congrega os hotéis portugueses diz não ter dados que permitam estimar os efeitos da nova lei nas estadas nas unidades hoteleiras.

    Segundo a lei 37/2007 a partir de 01 de Janeiro de 2008 é proibido fumar "nos estabelecimentos hoteleiros e outros empreendimentos turísticos onde sejam prestados serviços de alojamento", excepto nas áreas ao ar livre ou em zonas separadas fisicamente das restantes instalações.

    No caso dos hotéis, é admitida a possibilidade de serem reservados andares ou quartos para fumadores até um máximo de 40 por cento da área respectiva.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.