Açoriano Oriental
Doentes vão passar a ser sobretudo seguidos em casa, garante DGS

Os doentes da covid-19 vão passar sobretudo a ser seguidos no domicílio, numa altura em que Portugal está na fase de transmissão comunitária do novo coronavírus, e que cerca de 80% dos infetados deverão ter sintomas ligeiros.

article.title

Foto: EPA/YOAN VALAT
Autor: AO Online/ Lusa

Segundo a diretora-geral da Saúde, “os doentes vão passar a ser seguidos sobretudo no domicílio. Essa é a regra a partir de amanhã [quinta-feira]”.

A fase de mitigação da pandemia da covid-19 entra em vigor às 00:00 de quinta-feira e corresponde ao nível de alerta e de resposta mais elevado, segundo o Plano Nacional de Preparação e Resposta à propagação do novo coronavírus. Esta fase é ativada quando as cadeias de transmissão estão estabelecidas no país, tratando-se de uma situação de epidemia ativa.

Na conferência de imprensa diária que se realiza no Ministério da Saúde, em Lisboa, Graças Freitas explicou que “cerca de 80% dos doentes vão ter sintomatologia ligeira e conseguir ficar no domicílio, sendo acompanhados, obviamente, pelo seu médico e enfermeira e a saúde pública fará a sua parte para rastrear os contactos destes doentes”.

A diretora geral da saúde socorreu-se de uma regra percentual “80-15-05” para explicar a divisão dos sintomas por doentes infetados com covid-19.

Além dos 80% de infetados que sentirão sintomas ligeiros, os outros 15% serão doentes com “sintomas um bocadinho mais graves” e que devem ir “ao seu centro de saúde”, onde estará colocada “sinalética e terá áreas dedicadas para as pessoas que tenham covid-19” isolada de outros locais que tratarão as outras patologias.

Contudo, anunciou, haverá áreas geográficas com mais população que poderão escolher, entre as várias unidades de saúde, um centro de saúde para atender todos os doentes covid-19, em exclusividade.

O terceiro patamar de atendimento diz respeito aos 5%, estas com sintomas mais graves que devem ligar para a linha SNS24 [808242424] para depois serem “encaminhados para uma urgência hospitalar, para serem vistos por um médico e testados na altura”.

“É esse médico que vai decidir se esses doentes vão seguir para o quarto patamar de intervenção que é o do internamento”, explicou Graça Freitas, acrescentando, porém, que “se o caso for muito grave pode haver necessidade de internamento direto da pessoa infetada através do CODU ou INEM”.

Genericamente, na fase de mitigação da covid-19, a DGS estabeleceu quatro patamares de intervenção: os doentes ligeiros que ficam em casa, os moderados que irão ao centro de saúde, os graves, mas não críticos, que serão encaminhados para os hospitais e os críticos, que serão internados

“Este modelo será, a partir de quinta-feira, aplicado ao setor público de saúde, ao privado e ao social”, frisou.

Segundo o Plano Nacional de Preparação e Resposta ao novo coronavírus, na fase de mitigação, as medidas de contenção da doença são insuficientes e a resposta é focada na mitigação dos efeitos da covid-19 e na diminuição da sua propagação, de forma a minimizar “a morbimortalidade [relação entre o número mortes provocadas por determinada doença, num dado local e num certo período de tempo], e/ou até ao surgimento de uma vacina ou novo tratamento eficaz”.

O plano indica ainda que a fase de mitigação é a última fase de resposta antes da fase de recuperação.

Em Portugal, há 43 mortes, mais 10 do que na véspera, e 2.995 infeções confirmadas, segundo o balanço feito hoje pela Direção-Geral da Saúde, que regista 633 novos casos em relação a terça-feira.

Portugal, onde os primeiros casos confirmados foram registados no dia 02 de março, encontra-se em estado de emergência desde as 00:00 de 19 de março e até às 23:59 de 02 de abril.


Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.