Dívidas vencidas do Estado deverão ser liquidadas

Dívidas vencidas do Estado deverão ser  liquidadas

 

Lusa/AO Online   Economia   31 de Dez de 2008, 09:15

 As dívidas vencidas do Estado no sector da Saúde, na ordem dos 908 milhões de euros, deverão estar pagas até ao final do dia de hoje, estando prevista uma avaliação destes pagamentos para o início do próximo mês.
   Fonte do gabinete da ministra da Saúde revelou à Agência Lusa que o fundo criado para pagar as dívidas vencidas do Estado no sector da Saúde começou a ser utilizado a 19 de Dezembro.

    Desde então, e segundo a mesma fonte, os pagamentos têm sido processados “normalmente”, estando previsto que até ao final do dia de hoje todas as dívidas vencidas estejam pagas.

    A dívida vencida do Serviço Nacional de Saúde (SNS) era de 908 milhões de euros, segundo contas reveladas pela tutela no início deste mês.

    Um mês antes, o secretário de Estado adjunto e da Saúde anunciara que o Ministério da Saúde ia reunir um verba de 800 milhões de euros para integrar as dívidas dos hospitais Entidades Públicas Empresariais (EPE), os quais até ao final do ano (ou do dia de hoje) não poderão ter dívidas aos fornecedores superiores a 90 dias.

    De acordo com o secretário de Estado adjunto e da Saúde, estes 800 milhões de euros resultam dos 200 milhões de euros do fundo de apoio ao sistema de pagamentos do Serviço Nacional de Saúde (SNS), que foi criado há dois anos para o pagamento das dívidas às farmácias, não tendo desde então sido accionado.

    O Ministério da Saúde decidiu alargar o âmbito deste fundo para "todos os fornecedores de todos os serviços" e reforçá-lo através de verbas disponíveis no capital estatutário dos hospitais EPE até 600 milhões de euros.

    Na primeira semana de Janeiro, irá realizar-se uma reunião com vista à avaliação destes pagamentos, de acordo com a mesma fonte do gabinete da ministra da Saúde.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.