Diabéticos vão subir a montanha do Pico

Diabéticos vão subir a montanha do Pico

 

Lusa/AO Online   Regional   1 de Set de 2011, 11:04

Um grupo de duas dezenas de diabéticos iniciam no domingo numa expedição inédita nos Açores que os levará ao cimo da montanha do Pico, o ponto mais alto de Portugal, para desmistificar a ideia da diabetes como doença incapacitante.

“Durante seis dias, este grupo de diabéticos de tipo 1 e tipo 2, entre 17 e 67 anos, da Associação de Jovens Diabéticos de Portugal (AJDP), vai percorrer o maior desnível alguma vez feito no país, subindo à montanha do Pico e descendo depois a duas grutas”, afirmou Sílvia Saraiva, médica endocrinologista que vai acompanhar a iniciativa, em declarações à Lusa.

A expedição, que decorre de 04 a 10 de setembro, é, por isso, considerada "inédita".

Durante a caminhada até ao ponto mais alto de Portugal, três dos jovens participantes vão utilizar o mais avançado sistema de monitorização contínua da glicose, o que permitirá prevenir eventuais hipoglicémias.

"Trata-se de um sistema eletrónico que permite a visualização contínua dos níveis de açúcar no sangue, sem precisar de uma picada no dedo, permitindo assim uma vida muito mais segura", salientou a especialista.

Sílvia Saraiva frisou que a expedição pretende "desmistificar a diabetes como uma doença incapacitante", mas também "promover a atividade física como forma de prevenir e controlar o avanço assustador da prevalência da patologia.”

A médica salientou que existe por vezes "a ideia errada de que se trata de uma doença incapacitante e que um jovem diabético não terá as mesmas condições de vida" de outro que não tenha a doença, frisando que isso "não é verdade", desde que a doença seja controlada.

A AJDP é uma instituição particular de solidariedade social (IPSS) que pretende precisamente desmistificar esta questão e, segundo Sílvia Saraiva, tem "alguma tradição no desporto de montanha”.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.