Comunicações, "software" e biotecnologia são investimentos preferenciais dos Business Angels


 

Lusa / AO online   Economia   15 de Nov de 2009, 12:40

Telecomunicações e Internet, "software", ciências da vida, biotecnologia e turismo são algumas das áreas em que os Business Angels são mais solicitados a investir, avançou à Lusa o presidente da Associação representativa do sector.

João Trigo da Roza destacou o "potencial de inovação" dos empreendedores portugueses que recorrem a estes financiadores privados e adiantou que alguns destes jovens empresários terão oportunidade de relatar a sua experiência no início da Semana Global do Empreendedorismo, que arranca segunda-feira em Lisboa.

O interesse por estas áreas "tem a ver com o padrão da nossa economia", justificou João Trigo da Roza, explicando que as telecomunicações são um sector "bastante desenvolvido, onde aparecem projectos bastante interessantes e com possibilidade de se internacionalizarem".

O presidente da Associação Portuguesa de Business Angels (APBA)admitiu que o investimento dos "anjos" ainda é modesto (cerca de 1,5 milhões de euros por ano) e que a comunidade ainda "não está totalmente organizada", mas acredita que a capacidade de investimento vai ser reforçada, graças ao co-financiamento dos fundos comunitários.

No âmbito do Quadro de Referência Estratégico Nacional (QREN), foi criada uma linha específica para co-investimentos dos Business Angels que permite aumentar em, pelo menos, 15 milhões a capacidade de investimento em projectos inovadores.

Os BA avaliam mais de cem propostas por ano, mas apenas cerca de uma dúzia destes projectos é seleccionada para investir, um número que deverá aumentar com o estabelecimento de sociedades que juntam "anjos" a entidades públicas, através do QREN, referiu João Trigo da Roza.

A missão dos BA (particulares com capitais próprios que investem parte das suas poupanças em projectos inovadores, nas palavras deste responsável) é estimular o empreendedorismo com apoio financeiro e de gestão.

Daí que a APBA esteja também a organizar, em parceria com a SEDES (Associação para o Desenvolvimento Económico e Social), a Semana Global do Empreendedorismo que junta 85 países em todo o mundo.

"Pretende-se, durante uma semana, sensibilizar os jovens e os decisores do mundo inteiro para a importância do empreendedorismo como força dinâmica económica e social", salientou João Trigo da Roza.

Em Portugal, a Semana conta com o patrocínio da Presidência da República e tem Belmiro de Azevedo como embaixador, além do apoio de mais de 50 parceiros, entre universidades, autarquias, empresas, associações profissionais e centros tecnológicos que contribuíram para organizar mais de uma centena de actividades.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.