Campanha de sensibilização reduziu mortes por acidentes de trabalho

Campanha de sensibilização reduziu mortes por acidentes de trabalho

 

Lusa/AO Online   Nacional   24 de Dez de 2008, 09:59

O Sindicato da Construção do Norte considerou hoje “muito positivos” os resultados da campanha que promoveu este ano para diminuir os acidentes de trabalho no sector, revelando que o número de mortes sofreu uma descida acentuada.

 Os dados revelados pelo sindicato indicam que ocorreram este ano 56 mortes na sequência de acidentes de trabalho na construção civil, o que representa uma quebra significativa relativamente a 2007, quando foram registadas 82 mortes.

    A campanha, lançada pelo sindicato em Janeiro, incidiu especialmente nas pequenas empresas de construção, onde ocorreram nos últimos anos 75 por cento dos acidentes de trabalho neste sector de actividade.

    No total, foram realizadas este ano 203 acções de sensibilização, que atingiram cerca de 37 mil trabalhadores da construção civil.

    Para o sindicato, um dos resultados mais positivos desta campanha é a substancial redução do número de quedas em altura, o que implicou uma quebra no número de mortos de 47 em 2007 para 18 no ano que está a terminar.

    As estatísticas oficiais divulgadas pelo sindicato indicam, no entanto, que as quedas em altura continuam a ser a principal causa de acidentes mortais na construção, seguindo-se os esmagamentos, choque com objectos, electrocussão e soterramentos.

    A nível nacional, o distrito de Lisboa foi o que registou este ano o maior número de acidentes de trabalho mortais na construção civil (11), seguindo-se Braga (7), Aveiro (5), Santarém (5) e Porto (4).

    Na sequência dos resultados alcançados com esta campanha, o Sindicato da Construção do Norte anunciou que pretende realizar uma iniciativa idêntica em 2009, tendo em vista aumentar a segurança dos trabalhadores do sector.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.