BE alerta para "problema de saúde pública" no antigo hospital de Angra do Heroísmo

BE alerta para "problema de saúde pública" no antigo hospital de Angra do Heroísmo

 

AO Online/ Lusa   Regional   9 de Nov de 2019, 00:07

O Bloco de Esquerda/Açores alertou esta sexta feira para a “abundância de ratos” nas antigas instalações do Hospital de Angra do Heroísmo, na ilha Terceira, abandonadas desde 2012, alegando que se trata de um “problema de saúde pública”.

“O aparecimento de uma quantidade anormal de ratos nos espaços públicos e nas habitações contíguas ao edifício do antigo hospital tem levado ao surgimento de queixas dos moradores e comerciantes naquela zona da cidade, que receiam o perigo de transmissão de doenças como a leptospirose”, avançou o BE, em comunicado de imprensa.

Em causa está um dos maiores edifícios degradados da cidade de Angra do Heroísmo, localizado junto ao centro de saúde e ao lar de idosos da Santa Casa da Misericórdia.

Em 2012, foi inaugurado um novo hospital e desde então as antigas instalações, propriedade de um grupo de investidores, foram vandalizadas e estão ao abandono.

Os dirigentes bloquistas defendem que a situação exige que a Câmara Municipal de Angra do Heroísmo tome medidas.

“O BE considera que a autarquia devia intervir nesta situação, intimando o dono do imóvel – propriedade privada – a proceder a uma desratização e posterior controlo, para evitar problemas de saúde pública”, frisam.

Questionada pela Lusa, a vereadora do município de Angra do Heroísmo Raquel Ferreira, em substituição do presidente da autarquia, que se encontra fora do país, disse não conseguir averiguar em tempo útil o que se passava neste caso em concreto, mas admitiu que o procedimento normal neste tipo de situações é o sugerido pelo Bloco de Esquerda.

“Quando é reportada à câmara uma situação destas, nós mandamos um dos veterinários municipais ao local para verificar e depois notificamos o proprietário, dando-lhe um prazo para ele efetuar a desratização. E depois o veterinário volta lá para verificar se foi cumprido ou não”, revelou.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.