BE/Açores quer ouvir responsáveis da Provise sobre ordenados em atraso

BE/Açores quer ouvir responsáveis da Provise sobre ordenados em atraso

 

Lusa/AO Online   Regional   4 de Set de 2019, 16:07

O Bloco de Esquerda (BE) dos Açores quer ouvir no parlamento da região várias entidades ligadas à Provise, empresa no ramo da segurança cujos trabalhadores têm tido "salários em atraso de forma sistemática".

"Tendo em conta a situação insustentável vivida pelos trabalhadores da empresa Provise, que têm salários em atraso de forma sistemática, o BE vai propor que a inspetora regional do Trabalho, o sindicato que representa estes trabalhadores, e o presidente do conselho de administração da Provise sejam ouvidos no parlamento", lê-se numa nota dos bloquistas, liderados nos Açores por António Lima, enviada esta quarta-feira às redações.

O objetivo do partido é "facilitar o diálogo entre as partes envolvidas, conhecer a ação da Inspeção Regional do Trabalho e as futuras diligências a efetuar no sentido de dar solução à situação vivida pelos trabalhadores desta empresa", segundo o requerimento enviado hoje pelos deputados do BE à presidente da comissão parlamentar de Assuntos Parlamentares, Ambiente e Trabalho.

A situação atual, denuncia o Bloco, "é de ausência total de diálogo entre os responsáveis da empresa Provise e os representantes dos trabalhadores.

Os salários em atraso já levaram à rescisão do contrato de trabalho por justa causa por parte de, pelo menos, 40 trabalhadores na ilha de São Miguel, concretiza o partido.

No começo de agosto, trabalhadores da Provise nos Açores e na Madeira realizaram um dia de greve.

A empresa está sediada nos Açores, contando na região com 500 trabalhadores, enquanto na Madeira dispõe de 30 funcionários.

Também o PPM dos Açores anunciou hoje que irá apresentar um projeto de resolução que tem como objetivo resolver o pagamento dos salários em atraso por parte da empresa.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.