Associação defende legislação que permita retirar da rua os sem-abrigo

Associação defende legislação que permita retirar da rua os sem-abrigo

 

Lusa/AO online   Regional   23 de Out de 2012, 12:37

A associação cívica Ilhas em Movimento defende a necessidade de ser aprovada legislação que permita ajudar os sem-abrigo e retirá-los das ruas, admitindo lançar uma petição que alerte a sociedade para a urgência desta questão.

“Há pessoas deitadas no chão numa dependência total, impondo-se a criação de condições legais que permitam que sejam ajudadas”, afirmou Ricardo Pacheco, dirigente da associação, em declarações à agência Lusa, apontando o caso da cidade de Ponta Delgada, onde existem "dezenas de casos de sem-abrigo".

Para Ricardo Pacheco, “o que está em causa não é criar cidades bonitas para os turistas, mas assegurar condições para garantir a dignidade humana”.

Este dirigente associativo excluiu a criminalização da mendicidade e da vadiagem como método de abordagem do problema, mas frisou que o tema tem de ser debatido, sobretudo numa altura em que “o fenómeno se agrava devido à crise”.

“Não se trata de uma área fácil para legislar”, admitiu Ricardo Pacheco, alertando, no entanto, que “o flagelo não pode continuar ignorado”.

A Associação Ilhas em Movimento, criada em 2008, tem desenvolvido várias iniciativas e campanhas de apoio social, tendo já abordado, entre outros problemas, a questão do abuso sexual de crianças.

“Tentamos pegar em assuntos que não estejam cobertos pela atividade política”, afirmou Ricardo Pacheco, salientando que a associação tem atualmente em curso uma campanha de recolha de computadores usados para distribuição a pessoas carenciadas.

Desde a sua criação, as campanhas de Natal promovidas pela associação já permitiram a distribuição de cerca de 6.000 brinquedos usados por famílias carenciadas.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.