AMISM preocupada com gestão de resíduos urbanos e gestão da água em São Miguel

AMISM preocupada com gestão de resíduos urbanos e gestão da água em São Miguel

 

Lusa/AO Online   Regional   15 de Nov de 2018, 06:23

O tratamento dos resíduos sólidos urbanos e a gestão da água são as grandes questões levantadas pela Associação de Municípios da Ilha de São Miguel, que reuniu com o presidente do Governo dos Açores.

Na questão do tratamento dos resíduos sólidos urbanos, o presidente da Associação de Municípios da Ilha de São Miguel (AMISM) e presidente da Câmara de Ponta Delgada, José Manuel Bolieiro, lamenta que o ecoparque, "um investimento muito vultuoso, que depende de fundos comunitários", esteja "agora envolto num processo contencioso judicial".

Em causa está a construção de uma incineradora no ecoparque da ilha de São Miguel, um projeto “com a possibilidade de eliminar, como determina a lei e as diretivas comunitárias, os aterros, apostando na reciclagem, através da separação, na reutilização, bem como na valorização energética e composto”.

A construção da incineradora aguarda a conclusão de um processo judicial que analisa a legalidade do concurso público para a empreitada.

O autarca lembra que a espera pode “pôr em risco o financiamento comunitário do atual quadro comunitário de apoio”.

Nesse sentido, o líder da AMISM apela para a necessidade de, “consoante for o resultado judiciário nesta matéria, refletir, porque esta foi uma estratégia da região, os municípios limitaram-se a cumprir aquela definição planeada no decreto legislativo, e envolver a própria região e o governo regional nessa matéria”.

O autarca sugeriu, também, uma “estratégia comum de recolha [de resíduos sólidos urbanos] para a ilha”, que poderia ser assegurada pela MUSAMI, empresa de gestão de resíduos da AMISM.

Outra das preocupações levantadas durante a reunião da AMISM com o Governo Regional dos Açores, no âmbito da visita do executivo à ilha de São Miguel, foi a gestão de água.

O presidente da maior autarquia de São Miguel defendeu que a gestão da água deve ser feita tendo em conta “a realidade de ilha, mais que a realidade municipal, na gestão em alta da água”.

José Manuel Bolieiro sugere a elaboração de uma estratégia em que “a região tem que se envolver com os municípios”, garantindo que os autarcas estão “disponíveis para cooperar e reorganizar a gestão da água”.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.