Alimentos mais baratos 8 por cento nos primeiros dez meses do ano

Alimentos mais baratos 8 por cento nos primeiros dez meses do ano

 

Lusa/AO online   Economia   8 de Nov de 2012, 11:11

Os preços dos alimentos diminuíram, em média, 8 por cento nos primeiros dez meses deste ano em comparação com o mesmo período de 2011, anunciou esta quinta-feira a Organização de Agricultura e Alimentação da ONU (FAO).

A considerável redução dos preços internacionais e de mercadorias, juntamente com a diminuição de compra de cereais, prevê uma redução dos gastos derivados da importação de alimentos, sublinha.

Em 2012, a previsão global da importação de alimentos fixou-se em 1,14 mil milhões de dólares, menos 10 por cento que o valor recorde atingido em 2011, adianta a nota da FAO.

Em relação aos cereais, o mercado da oferta e da procura deverá registar uma redução considerável em 2012 e 2013, devido principalmente à diminuição da produção de trigo e milho.

A FAO prevê que a produção mundial de cereais diminua 2,7 por cento este ano reltivamento ao valor recorde de 2011, ou seja, uma redução de 25 milhões de toneladas de cereais no mercado mundial.

Em relação ao trigo, o ajustamento no mercado da oferta e da procura mundiais mantém-se nos níveis dos preços do trigo em 2011, explica a organização.

A informação mais recente sobre a produção confirma uma colheita menor de trigo em 2012, bem como uma diminuição considerável das existentes, pelo que a FAO prevê uma diminuição no comércio mundial em 2012 e 2013 abaixo do pico da temporada anterior.

Sobre a produção mundial de arroz, a FAO assegura que, em 2012, poderá superar o recorde da última temporada, dadas as condições de cultivo favoráveis.

A procura das importações mantém-se firme e prevê-se a expansão do comércio do arroz em 2012, com um novo, ainda que diminuto, aumento em 2013, adianta.

A produção mundial de açúcar deverá alcançar um novo recorde, mais que suficiente para cobrir as necessidades do consumo mundial, de acordo com a FAO.

As grandes possibilidades de exportação nos principais países fornecedores, juntamente com o reforço das existências de açúcar nos principais países importadores, vão permitir um impulso do comércio em 2012 e 2013, refere a organização.

Em relação à carne, o mercado mundial está a ser afetado pelos elevados preços das rações, estancamento do consumo e queda da rentabilidade, pelo que a produção deverá diminuir 2 por cento, segundo a FAO.

“Com os preços internacionais perto de máximos históricos, o crescimento do comércio mundial também está a desacelerar”, lembra.

A FAO também refere que os preços internacionais dos produtos lácteos estão a aumentar, mas adianta que a produção de leite continua a aumentar em muitos países, especialmente na Ásia, Oceânia e América do Sul.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.