Açoriano Oriental
Albuquerque diz haver condições para aprovar Programa do Governo Regional

O presidente do Governo Regional da Madeira, o social-democrata Miguel Albuquerque, reiterou que estão reunidas todas as condições para o Programa do executivo ser aprovado, por existir “toda a disponibilidade” de diálogo com a oposição.

Albuquerque diz haver condições para aprovar Programa do Governo Regional

Autor: Lusa/AO Online

“Nós, neste momento, temos todas as condições para ter o Programa de Governo aprovado, até porque o Programa que vamos hoje apresentar contempla um conjunto de iniciativas e de projetos que estão consubstanciados num grande número de Programas dos próprios partidos da oposição”, disse o governante madeirense aos jornalistas, à margem de uma visita a um restaurante no concelho da Calheta, na zona oeste da Madeira.

Miguel Albuquerque vai entregar ao final da tarde o Programa do Governo Regional da Madeira para os próximos quatro anos, na sequência das eleições antecipadas realizadas em 26 de maio, nas quais o PSD elegeu 19 deputados num universo de 47, ficando aquém da maioria absoluta (24 parlamentares).

O documento será discutido a partir de terça-feira na Assembleia Legislativa e a votação está agendada para o dia 20. O PS e o Chega já anunciaram o voto contra o documento, pelo que, se o JPP se juntar a esta posição, haverá um chumbo.

Após as eleições, apesar de não conseguirem uma maioria absoluta somando os seus deputados, o PS e o JPP fizeram um acordo para tentar retirar o PSD do poder, o que não se concretizou.

Segundo Albuquerque, existem propostas de outras forças políticas que “não colidem” com as do PSD.

Por isso, assegurou haver “toda a disponibilidade para continuar a dialogar com os partidos com assento parlamentar” e para integrar alguns dos projetos que “são comuns à maioria das candidaturas”, enunciando a redução fiscal, a questão da mobilidade aérea e marítima, e o reforço dos apoios sociais.

O PS tem uma bancada parlamentar com 11 deputados, o JPP com nove, o Chega com quatro e o CDS-PP (que assinou um acordo parlamentar com o PSD) tem dois, enquanto a IL e o PAN estão representados por um eleito cada.

“E, obviamente, vamos incorporar neste Programa que hoje é apresentado as propostas que, do nosso ponto de vista, são lógicas e são válidas dos partidos da oposição, exatamente para demonstrar que nada obsta a que este Programa de Governo seja aprovado”, salientou, referindo que foram englobadas “algumas propostas do Chega, do JPP, do PAN, da IL”.

Uma delas é o lançamento de um novo concurso internacional para assegurar uma ligação ferry com o continente, que é defendida pelo JPP.

Miguel Albuquerque reforçou que não “há nenhuma razão para se continuarem a fazer jogos políticos”. Os partidos, disse, precisam “sentar-se, conversar e aprovar o Programa de Governo”.

Para o chefe do executivo regional, o que está agora em causa “é a população da Madeira, é a vida social e económica da Madeira”.

No seu entender, “a atual situação não é compatível com mais impasses” e é imprescindível “resolver um conjunto de questões que estão pendentes”, como os fundos europeus até 2030, que têm de ser “regulamentados e aprovados”, para o apoio às empresas e aos outros setores de atividades.

“Há também que levar em linha de conta as próprias carreiras, o salário, a atualização salarial, tudo isso está em jogo”, acrescentou.

Questionado sobre os partidos da oposição terem divulgado rejeitar um Programa do Governo Regional por si liderado, o social-democrata respondeu: “Isso é uma desculpa. Eu sou líder do partido e fui eu, como líder do partido, que fui sufragado pelos madeirenses e porto-santenses”.

“Essa questão que é uma desculpa e não tem acolhimento, nem cabe do ponto de vista lógico, porque quando eu fui a eleições toda a gente sabia - e quem votou, o eleitorado - que eu era o candidato a presidente do governo”, insistiu.

No caso de o documento não ser viabilizado, acrescentou, “o PSD assume sempre as suas responsabilidades, não tem medo de nada que possa acontecer”. Contudo, segundo o governante, as pessoas “estão fartas de eleições” e querem é ver “a sua vida resolvida”.

Quanto ao facto de o Chega dizer que vai votar contra o Programa e o Orçamento deste ano, Albuquerque referiu que o partido tem quatro deputados e “neste momento sabe o que está em jogo”.

A eventual rejeição do Programa do Governo da Madeira implica a queda do executivo, que fica em gestão até que um novo seja nomeado ou até que haja novas eleições antecipadas, apenas possíveis nos inícios de 2025.


PUB
Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados