Acordo entre estivadores e operadores sobre serviços mínimos adiado para sexta-feira

Acordo entre estivadores e operadores sobre serviços mínimos adiado para sexta-feira

 

Lusa/AO online   Nacional   24 de Out de 2012, 15:16

Os representantes dos trabalhadores dos portos de Lisboa, Setúbal, Figueira da Foz e Aveiro e os operadores adiaram para sexta-feira a definição de novos serviços mínimos para as greves, disseram os sindicatos.

"Se houver bom senso podemos reconsiderar um ou outro aspeto como o dos navios das regiões autónomas [que poderão ficar abrangidos pelos serviços mínimos] porque são os que estão mais dependentes da carga que chega via navio", disse o presidente do Sindicato dos Estivadores, Trabalhadores do Tráfego e Conferentes Marítimos do Centro e Sul de Portugal, Vítor Dias.

O sindicalista adiantou que na reunião foram feitas cinco propostas pelas associações que representam os diversos portos e sublinhou que "houve um esforço conciliador" para tentar encontrar uma solução "por consenso".

Questionados pela Lusa, os representantes das empresas afirmaram que apresentaram "propostas diferentes de porto para porto" e confirmaram que será na reunião de 6ª feira que o sindicato lhes irá responder.

Dada a variedade das propostas foi decidido e acordado pelas partes que na sexta-feira às 10:00 haverá nova reunião.

Vítor Dias disse que o sindicato reafirmou "vários princípios, a tipologia da greve e a ata que foi subscrita em 2004" sobre serviços mínimos, onde está incluída a carga de materiais hospitalares, medicamentos, gado vivo e alguma matéria em risco de ser perecível.

"Não trocamos as questões sociais pelas questões financeiras porque inverter o ónus da questão e passarem todas as greves a ter uma conotação financeira é o fim do direito à greve, é a lei da rolha e é o princípio de que este país começa a ter contornos de não democracia", frisou.

Os serviços mínimos estavam até agora fixados por um acordo de 2004 contra o qual se manifestaram os operadores, alegando que a importância da utilização dos portos - sobretudo para o setor exportador - alterou-se desde essa altura, conforme explicou na segunda-feira o secretário de Estado dos Transportes, Sérgio Monteiro.

Contudo, os estivadores acusam os operadores de considerarem serviços mínimos "tudo o que se faz no porto".

"Já não se trata só de bens essenciais. O que se pretende é muito mais além, já das exportações, cimentos, pasta de papel. São estes produtos perecíveis, essenciais às populações e ao bem da sociedade enquanto tenham de ser movimentados sem interrupção?", questionou Vítor Dias.

Vítor Dias reforça que com as propostas que foram colocadas aos representantes dos trabalhadores não se faz "um minuto de greve" e trabalha-se "24 horas sobre 24 horas", "porque é tudo perecível e é tudo importante".

"Se não chegarmos a entendimento na sexta-feira, na segunda-feira vamos ter um despacho da tutela e do ministério e já antevemos o que é", disse, admitindo que a possibilidade de requisição civil para os portos nacionais poderá ser um dos cenários.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.