Escudo anti-míssil

Washington vai vigiar calendário militar russo


 

Lusa / AO online   Internacional   14 de Out de 2007, 11:49

Os Estados Unidos vão vigiar o calendário militar russo para ver se Moscovo deseja ou não cooperar com as propostas de Washington sobre o projecto norte-americano de um escudo anti-míssil, afirmou Condoleezza Rice à televisão ABC.

    “Formulámos novas propostas. Se a Rússia procurar efectivamente a cooperação e não a confrontação, então essas propostas devem tranquilizá-los e tudo correrá bem”, afirmou a secretária de Estado norte-americana, Condoleezza Rice.

    As propostas em questão, feitas por Rice e pelo secretário norte-americano da Defesa, Robert Gates, integram uma análise sobre o Irão, a quem a Rússia continua a vender armas apesar das objecções norte-americanas.

    Membro permanente do Conselho de Segurança da ONU, a Rússia mostrou-se igualmente reticente em apoiar Washington e as capitais europeias para administrar sanções mais fortes ao Irão com o objectivo de obrigar Teerão a cessar as suas actividades nucleares.

    A Rússia e os Estados Unidos envolveram-se nos últimos meses num braço de ferro sobre a questão da criação na Europa Central de um escudo anti-míssil com o objectivo de proteger os ocidentais de uma ameaça iraniana.

    Moscovo, que considera essas possíveis instalações como uma ameaça à sua porta, propôs em Julho colocar à disposição dos norte-americanos a estação radar de Gabala, no Azerbeijão, vizinho do Irão.

    O ministro russo dos Negócios Estrangeiros, Sergueï Lavrov, advertiu que se os Estados Unidos estabelecerem o seu radar, a Rússia será obrigada a “tomar medidas para neutralizar essa ameaça”.

    Robert Gates mostrou-se conciliador sobre o assunto, assegurando que o radar de Gabala “pode desempenhar um papel muito útil no sistema” anti-míssil norte-americano.

    Segundo Gates, as propostas norte-americanas “devem realmente apaziguar as inquietudes que (os russos) manifestaram várias vezes”.

    “Não creio, nem os russos, que nove interceptores na Polónia e alguns radares na República Checa vão tornar inoperantes milhares de ogivas nucleares na Rússia”, sublinhou Gates.

    Rice manifestou-se igualmente inquieta perante o aumento do orçamento militar russo.
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.