Vasco Cordeiro diz que PSD chegou "derrotado" a debate do orçamento dos Açores

Vasco Cordeiro diz que PSD chegou "derrotado" a debate do orçamento dos Açores

 

Lusa/AO Online   Regional   26 de Nov de 2013, 13:06

O presidente do Governo dos Açores disse hoje que o PSD chegou "derrotado" ao debate do orçamento regional, abstendo-se e sem propostas credíveis, tendo o líder social-democrata respondido que coloca o interesse dos açorianos acima do partido.

O plenário do parlamento dos Açores, na Horta, iniciou hoje o debate dos documentos orçamentais dos Açores para 2014 (plano anual de investimento e orçamento) e o arranque dos trabalhos ficou marcado por uma troca de acusações entre o socialista Vasco Cordeiro, que preside ao executivo regional, e Duarte Freitas, líder do PSD açoriano.

Duarte Freitas confirmou que o PSD se vai abster na votação dos documentos, em relação aos quais apresentou propostas para o reforço dos apoios à Universidade dos Açores e dos complementos dados às pensões no arquipélago, entre outros.

O presidente do PSD/Açores disse ter “dúvidas” de que este seja o orçamento de que os Açores precisam, quando a região vive uma "cataclismo" e uma “crise avassaladora” marcada pelo aumento do desemprego, “fome” nas ilhas e maiores dificuldades das empresas e famílias.

No entanto, reiterou que é ao executivo que cabe governar e aplicar as medidas anunciadas e formuladas, algumas delas, com contributos da oposição, como é o caso da agenda açoriana para a competitividade.

Duarte Freitas reiterou que o executivo regional não se pode por isso “queixar” ou “desculpar” com a oposição.

Na resposta, Vasco Cordeiro considerou que o PSD “chega derrotado perante os açorianos” ao debate que hoje começou, considerando que “cruza os braços” e “vira a cara” à crise que o próprio partido aponta, atitude “agravada” com as propostas de alteração que apresenta.

Vasco Cordeiro referiu que os deputados do PSD/Açores pedem mais apoios aos pensionistas e à universidade, mas os seus deputados votam favoravelmente, na Assembleia da República (AR), um Orçamento do Estado que corta financiamento às instituições do ensino superior e rendimentos dos pensionistas.

Segundo o governante, se o PSD/Açores estivesse interessado na situação das famílias e da universidade açorianas, teria votado contra estas medidas na AR. No seu entender, as propostas e a atitude dos sociais-democratas revelam “perversidade política” e “tática”.

O PSD, considerou, está a “instrumentalizar” a crise para “criar dificuldades aos Governo Regional” e esta postura não lhe dá “desculpa nenhuma perante os açorianos”.

Vasco Cordeiro disse ainda que de facto o Governo Regional não se pode desculpar com a oposição, apontando a “irrelevância” do PSD, resultado dos votos dos açorianos, que deram maioria absoluta aos socialistas nas legislativas regionais de há um ano.

Duarte Freitas lamentou a intervenção de Vasco Cordeiro dizendo que não o reconheceu nestas palavras com que “quase remeteu a democracia para um canto”.

O líder do PSD/Açores sublinhou que no último ano procurou o diálogo com a maioria socialista, dando contributos para a agenda açoriana da competitividade, a reestruturação da saúde, os fundos europeus ou a questão das Lajes.

Por outro lado, lembrou que os deputados do PSD/Açores na AR votaram “contra o Governo da República” na lei das finanças regionais, garantindo que põe sempre “o azul da bandeira dos Açores acima do laranja da bandeira do PSD”, ao contrário do que fazem os socialistas açorianos.

Vasco Cordeiro voltou a usar da palavra para dizer a Duarte Freitas que “o rei vai nu”.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.