Uma em cada três mulheres teve uma gravidez indesejada

Uma em cada três mulheres  teve uma gravidez indesejada

 

Lusa/AO Online   Nacional   25 de Set de 2010, 08:50

Uma em cada três portuguesas já teve uma gravidez indesejada, apesar de o uso de métodos contracetivos estar bastante disseminado: mais de 85 por cento das mulheres adotam uma medida de controlo de natalidade.

No domingo assinala-se o Dia Mundial da Contraceção, mas hoje a Sociedade Portuguesa da Contraceção (SPC) organiza uma reunião científica sobre o estado da contraceção em Portugal.

Em Portugal, e de acordo com o Inquérito Nacional de Saúde de 2007, mais de 85 por cento das mulheres não grávidas e sexualmente ativas usam alguma medida para controlo da natalidade. A pílula é o método mais utilizado (65,9 por cento), seguido do preservativo (13,4 por cento) e do dispositivo intra-uterino (8,8 por cento).

No entanto, uma em cada três mulheres acaba por ficar grávida sem o desejar.

“Nós somos humanos e às vezes falhamos: nem sempre temos os métodos de contraceção que são os mais adequados e falta um aconselhamento técnico para perceber que não são”, disse à agência Lusa Teresa Bombas, da SPC.

Os contracetivos orais são o método mais disponível e mais usado pela população portuguesa, mas é também “o que falha mais”, alerta a especialista, que defende que "é preciso educar a população para a existência de outras alternativas".

Teresa Bombas sabe que há adolescentes que começam a usar contracetivos sem consulta prévia. No entanto, para a responsável, este pode não ser um aspeto negativo: “É melhor que comecem a conselho de uma amiga do que depois de uma interrupção”, defende.

A percentagem de adolescentes portuguesas que engravidam é muito superior à média registada nos restantes países europeus: por cada mil adolescentes portuguesas dos 15 aos 19 anos, 17 são mães, enquanto na Europa Ocidental a média é de dez.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.