Gripe A H1N1

Ucrânia adquire 300 mil doses de medicamentos

Ucrânia adquire 300 mil doses de medicamentos

 

Lusa/AO Online   Internacional   2 de Nov de 2009, 13:20

 A indústria farmacêutica suíça forneceu hoje à Ucrânia trezentas mil doses do antiviral Tamiflu, quantidade que as autoridades consideraram suficiente para enfrentar a epidemia de gripe A (H1N1) no país.

Segundo dados do Ministério da Saúde da Ucrânia, 60 pessoas morreram na última semana devido à gripe A e mais de sete mil estão internadas, das quais 123 em cuidados intensivos, devido a “doenças respiratórias”.

O carregamento de medicamentos chegou ao aeroporto de Kiev durante a madrugada e foi recebido pela primeira-ministra ucraniana, Iúlia Timochenko, e por representantes do Presidente Victor Iuschenko.

Um comunicado da presidência ucraniana divulgado hoej diz que a quantidade de Tamiflu “é suficiente para fornecer medicamentos a todos os hospitais e ambulâncias de emergência da Ucrânia. Em caso de necessidade, todas as pessoas que se dirigirem aos hospitais receberão o medicamento imediata e gratuitamente”.

O ministro da Saúde da Ucrânia, Vassili Kniazevitch, pediu aos políticos para não lançarem o pânico entre a população.

“Peço que não lancem o pânico entre a população durante uma semana. Temos problemas como todo o mundo tem”, declarou Kniazevitch ao canal televisivo 1+1.

“Peço aos políticos uma semana de silêncio. Dêem a possibilidade aos médicos de falarem em todos os canais televisivos”, acrescentou.

Na Ucrânia está a decorrer até 15 de Janeiro a campanha eleitoral para eleições presidenciais e o governo pretende evitar que a gripe A H1N1 seja utilizada como arma de arremesso político.

Não obstante as autoridades terem anunciado a suspensão de todas as cerimónias públicas, Alexandre Turtchinov, vice-primeiro-ministro da Ucrânia, considera que a epidemia não obrigará ao adiamento das eleições presidenciais.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.