Tratamento precoce de doentes com sida é rentável a longo prazo

Tratamento precoce de doentes com sida é rentável a longo prazo

 

Lusa/AO online   Ciência   31 de Out de 2013, 09:01

Investigadores descobriram que o tratamento de pessoas com sida logo após serem infetadas é rentável a longo prazo, revela um estudo divulgado quarta-feira.

O estudo, publicado no Jornal de Medicina de N, analisou os custos e benefícios na aplicação de terapia antirretroviral em pessoas infetadas com VIH, antes de a sua carga viral se tornar muito elevada.

De acordo com o Centro de Controlo e Prevenção de Doenças norte-americano, o custo anual com tratamentos em pacientes com VIH ronda os 16,7 mil euros.

Projetando o custo de tratamentos ao longo do tempo, e contabilizando os efeitos de uma melhor saúde e menor número de infeções, os investigadores descobriram benefícios económicos a longo prazo nos países alvo do estudo: África do Sul e Índia.

“Em resumo, a terapia antirretroviral precoce é uma ‘tripla vencedora’: os pacientes com VIH vivem de forma mais saudável, os seus parceiros estão protegidos do VIH e o investimento é excelente”, afirmou Rochelle Walensky, do Hospitalgeral de Massachusetts, coautora do estudo.

O estudo centrou-se na África do Sul e Índia por estes países terem apresentado o maior número de infetados com VIH de entre nove países estudados num ensaio clínico cujas conclusões demonstraram que o tratamento de prevenção reduziu drasticamente não só o risco de transmissão viral mas também de desenvolvimento de infeções como a tuberculose.

O estudo demonstrou ainda que 93% dos pacientes que receberam tratamento antirretroviral precoce sobreviveram, o que só sucedeu a 83% dos doentes cuja terapia foi mais atrasada.

Já a esperança de vida dos pacientes tratados precocemente atingia os 16 anos, mais dois que o grupo com terapias mais tardias.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.