Trabalho na área da Bioinformática recebe prémio de inteligência artificial


 

Lusa/Ao online   Nacional   4 de Dez de 2007, 07:17

Uma aplicação informática que analisa o comportamento de genes em processos biológicos recebe hoje o Prémio Nacional de Trabalhos de Licenciatura, atribuído pela Associação Portuguesa para a Inteligência Artificial.
O trabalho na área da Bioinformática foi desenvolvido por Joana Gonçalves, de 24 anos, natural da Covilhã, que este ano concluiu a licenciatura em Engenharia Informática na Universidade da Beira Interior.

    A aplicação recorre a conceitos de inteligência artificial para “analisar dados científicos e determinar se determinado grupo de genes está a funcionar em conjunto num processo biológico”, adiantou a autora à Agência Lusa.

    “Sabe-se, por exemplo, que se determinado grupo de genes estiver a funcionar mal, pode provocar doenças”, descreveu.

    Assim, a aplicação comporta-se como “uma ferramenta”, que “permite uma primeira despistagem de dados obtidos em experiências”, auxiliando o trabalho de campo de biólogos, referiu Joana Gonçalves.

    O trabalho BiGGEsTS - BiclusterinG Gene Expression Time-Series foi orientado por Sara Madeira, docente do Departamento de Informática da UBI.

    Joana Gonçalves dedica-se desde Setembro ao doutoramento em Engenharia Informática e de Computadores no Instituto Superior Técnico e participa em actividades do Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores Investigação e Desenvolvimento.

    A jovem acredita que a inteligência artificial vai estar cada vez mais ligada ao quotidiano das pessoas, “mas não tanto naquela visão clássica de robôs e máquinas que se assemelham a pessoas”.

    “Penso que a abordagem não será tanto essa, mas sobretudo arranjar métodos que consigam descobrir conhecimento relevante na informação com que lidamos, para bem da comunidade científica e da comunidade em geral”, referiu Joana Gonçalves.

    Satisfeita e ao mesmo tempo surpresa com o prémio que hoje recebe, Joana Gonçalves considerou que o melhor conselho a dar a jovens alunos e investigadores é o de “fazerem aquilo que gostam e darem sempre o seu máximo”.

    “Penso que dessa forma, de uma maneira ou outra, o trabalho acaba por ser conhecido e recompensado”, concluiu.

    O prémio vai ser entregue sessão de abertura do Encontro Português de Inteligência Artificial (EPIA 2007), a partir das 09:00, em Guimarães.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.