Trabalhadores portuários iniciam 24h de greve na 6ª feira pela liberdade de filiação sindical

Trabalhadores portuários iniciam 24h de greve na 6ª feira pela liberdade de filiação sindical

 

Lusa/AO Online   Regional   26 de Jul de 2018, 14:41

Os trabalhadores de oito portos nacionais, filiados no Sindicato dos Estivadores e da Atividade Logística (SEAL), iniciam esta sexta-feira uma paralisação de 24 horas pela liberdade de filiação sindical, foi anunciado.

“Esta greve foi declarada na sequência de um manifesto feito há um ano, que denunciava situações de perseguição aos sócios do SEAL, [nomeadamente], nos portos de Leixões e do Caniçal, situações essas que se têm vindo a agravar”. Os estivadores de todo o país resolveram declarar um dia de jornada de solidariedade pelos trabalhadores perseguidos, disse o presidente do sindicato dos estivadores, António Mariano.

Para além destes, estão em causa os portos de Lisboa, Setúbal, Sines, Figueira da Foz, Ponta Delgada e Praia da Vitória. A greve terá início às 8 horas e terminará, pela mesma hora, no sábado.

De acordo com o sindicalista, em Leixões, “a partir do momento em que os trabalhadores se filiaram no sindicato, os seus rendimentos passaram para metade”, existindo, por outro lado, ofertas de “milhares de euros” para os trabalhadores se desfiliarem.

O SEAL frisou ainda que os funcionários mais preparados para lidar com os equipamentos tecnológicos estão destacados para “varrer o cais e carregar paralelepípedos”.

No que se refere ao possível impacto da paralisação, António Mariano garantiu que terá “graduações diferentes”, tendo em conta que o sindicato apenas representa todos os trabalhadores dos portos de Setúbal, Lisboa e Figueira da Foz.

“Noutros portos, onde há outras organizações, eventualmente, a paragem não será total. Nalguns desses, também são essas organizações sindicais a estar na base do problema”, apontou.

Questionado sobre a possibilidade dos trabalhadores avançarem com novas formas de luta, António Mariano não descartou a hipótese, mas remeteu mais esclarecimentos para sexta-feira.

No total, estão filiados no SEAL cerca de 530 trabalhadores.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.