Técnicos de Contas dizem que Portugal está “a pagar a fatura” dos “erros dos políticos”

Técnicos de Contas dizem que Portugal está “a pagar a fatura” dos “erros dos políticos”

 

LUSA/AOnline   Nacional   31 de Out de 2011, 16:48

O vice-presidente da Ordem dos Técnicos Oficiais de Contas (OTOC) afirmou hoje que Portugal está “a pagar a fatura” dos “erros dos políticos”, compreendendo as medidas de austeridade anunciadas.

“É uma necessidade, compreendemos perfeitamente até porque gerir o Estado é como gerir uma empresa, as dimensões é que são outras”, afirmou Armando Marques.

O vice-presidente da OTOC falava à Agência Lusa em Viana do Castelo, à margem do quinto encontro descentralizado que aquela Ordem está a promover por todo o pais para discutir os problemas de cada região.

“Chegou a altura de pagar a fatura, a nossa e a dos erros políticos que aconteceram neste país”, acrescentou, admitindo que “os políticos deviam ser mais gestores do que políticos” porque “não sabem interpretar o ativo e o passivo”.

“Depois caímos no buraco em que estamos atualmente Só olharam para os ativos e nunca olharam para os passivos”, apontou ainda.

Agora, reconhece, “há esforço muito grande” a realizar “por todos”, apesar dos “efeitos colaterais” de medidas como o agravamento das taxas secundárias do IVA previsto pelo Orçamento de Estado para 2012.

“Temos que compreender que o Estado precisa de receitas rapidamente, porque cortar na despesa demora um ou dois anos até produzir os seus efeitos. Aumentar os impostos, sobretudo do IVA, tem os seus efeitos imediatos, mas obviamente vai criar problemas no consumo e nas empresas”, assumiu.

Ainda assim, afirma que a OTOC pretende “desassossegar as pessoas” pela discussão dos “temas e preocupações” em cada região do país.

“Queremos ajudar a dar a volta por cima. O país está a cair num estado de péssimo em demasia e temos que passar uma palavra de confiança rapidamente”, concluiu Armando Marques.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.