“Somos um festival ecológico com música alternativa aos eventos da Região”

“Somos um festival ecológico com música alternativa aos eventos da Região”

 

Carolina Moreira   Regional   26 de Ago de 2019, 10:23

Filipe Tavares, diretor artístico do Festival Azores Burning Summer e presidente da Associação Regional para a Promoção e Desenvolvimento do Turismo, Ambiente, Cultura e Saúde dos Açores (ARTAC) fala sobre o evento que acontece no Porto Formoso nos dias 30 e 31 de agosto

Qual é o tom, a sonoridade que a organização quer trazer ao Porto Formoso este ano?


O festival tem vindo a afirmar, desde sempre, uma escolha musical alternativa, de grande qualidade, que foge ao ‘mainstream’, mas com um tom bastante positivo. Queremos música que transmita boa energia e inspirada pelos tons tropicais, pelos tons africanos, pela world music, pelo jazz, pelo funk, pelo soul e música negra em geral e, no fundo, é este o tom que nós pretendemos, a nível de musicalidade, entregar ao nosso público.



Pode ler a entrevista na íntegra na edição desta segunda-feira, 26 agosto 2019, do jornal Açoriano Oriental


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.