Eleições Legislativas 2019

“Só o voto no PS importa para o futuro dos Açores e de Portugal”

“Só o voto no PS importa para o futuro dos Açores e de Portugal”

 

Susete Rodrigues/AO Online   Regional   4 de Out de 2019, 11:36

“Juntos vamos fazer o que Portugal precisa! O que os Açores precisam! Dar uma grande vitória ao Partido Socialista nas eleições do próximo domingo!”, disse na quinta-feira a cabeça de lista do PS/Açores às Eleições Legislativas do próximo dia 6 de outubro.

Isabel Almeida Rodrigues, que falava durante o Comício de Encerramento do PS/Açores, que decorreu na Aula Magna da Universidade dos Açores, lembrava assim as inúmera empresas e entidades de todos os setores de atividade com que contactou por todas as nove ilhas ao longo das últimas semanas, “ouvindo as açorianas e açorianos e percebendo o valor inestimável da estabilidade e confiança com que vivemos nos últimos quatro anos”.


Citada em comunicado, a candidata sublinhou que “foi com essa estabilidade e com a credibilidade e confiança recuperadas que conseguimos aumentar o investimento, o emprego, o rendimento das famílias e conhecer ainda o valor da solidariedade nacional para com os Açores. Tivemos, no Governo de António Costa, uma visão dos Açores e da Autonomia que contrasta com a visão do atual líder do PSD que nos reduziu a fortuna nenhuma, ignorando o quanto acrescentamos a Portugal”.


Com resultados que falam por si, a governação socialista dos últimos quatro anos mostrou que havia um caminho alternativo: “O caminho da dignidade da pessoa humana, da confiança, da credibilidade e das contas certas”.


Querendo continuar neste caminho, Isabel Almeida Rodrigues destacou como prioritário que na próxima legislatura se continue a defender por melhorar os rendimentos das famílias, que se aumentem os apoios sociais aos estudantes do ensino superior, por se melhorar o regime de licenças de parentalidade e por se reforçar as licenças complementares de apoio familiar.


“Termos um governo da República que está disponível nas horas menos boas é de um valor incalculável”

O presidente do PS/Açores, Vasco Cordeiro, defendeu a importância de se ter um Governo da República que cumpra “com as suas obrigações - como aconteceu na legislatura que agora termina, em que se acabou com a discriminação dos açorianos no acesso à saúde e no financiamento das Obrigações de Serviço Público no transporte aéreo interilhas” -, mas sublinhou o “valor incalculável de se ter um governo presente nas horas menos boas”.


Vasco Cordeiro, que falava no comício de encerramento da campanha para a Assembleia da República, recordou o que aconteceu com as intempéries dos finais de 2015: “O Governo da República anterior, do PSD e do CDS, a um pedido de ajuda do Governo Regional, para fazer face a calamidades, disse: vão à banca que é lá que têm dinheiro”. Já o Governo de António Costa, “esteve presente nessa altura disponibilizando ajuda e esteve presente agora, e disponibilizou também ajuda para conseguirmos reerguer as zonas da nossa Região – isso é de um valor incalculável”, acrescentou, citado em comunicado.


Vasco Cordeiro discorda de quem possa achar que a Região deve estar grata pelas ajudas: “Nós não temos que estar gratos, por estas ajudas, nós temos é que estar gratos por termos um Partido Socialista na República e um primeiro-ministro, António Costa, que têm uma consciência muito clara daquelas que são as suas obrigações e os seus deveres para com os portugueses que vivem nesta parte do território nacional, para com os Açorianos que vivem nestas ilhas”.


Também o Mandatário Regional da candidatura do PS/Açores, Ricardo Serrão Santos, lembrou o Programa Nacional com que o Partido Socialista se apresenta a estas eleições, um programa que “vem na esteira de quatro anos de governação exigente, criativa e progressista” e que assume o combate às alterações climáticas como “uma das medidas essenciais de uma governação e determinante na salvaguarda das gerações futuras”.




Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.