Caso Madeleine McCann

Sem dinheiro, arguido Robert Murat está numa "situação difícil


 

Lusa / Ao online   Internacional   13 de Out de 2007, 12:23

Robert Murat, o luso-britânico suspeito do desaparecimento de Madeleine McCann, confessou à BBC que está numa situação "muito, muito difícil", com as economias esgotadas e sem ver a filha há mais de cinco meses.
    "Já passaram cinco meses, as minhas poupanças esgotaram-se, a [minha] mãe está a fazer o que pode e está a ser muito, muito difícil", revelou, em declarações divulgadas nos noticiários da noite de sexta-feira da televisão pública britânica.

    Murat está há vários meses confinado ao convívio com a família que vive no Algarve e alguns amigos, depois de ter sido constituído arguido em Maio e a casa onde vivia com a mãe na Praia da Luz ter sido revistada pelo menos duas vezes.

    Desde essa altura, Murat remeteu-se ao silêncio e deixou de falar à comunicação social, respeitando a legislação portuguesa, que impede que os arguidos comentem publicamente o caso.

    "Infelizmente, há muitas coisas de que não podemos falar e é muito frustrante", disse.

    "Mas esta é a lei deste país e é isto que temos de a cumprir", conformou-se.

    Uma prima, Sally Eveleigh, revela que Robert Murat "não vê a filha [de quatro anos e que vive com a ex-mulher no Reino Unido] há mais de cinco meses".

    "Já não tem notícias da polícia há três meses e não existem provas contra ele", afirma, mostrando incompreensão por as autoridades ainda não terem levantado o estatuto de arguido ao seu primo.

    Na sua edição de hoje, o Diário de Notícias refere que o advogado de Murat, Francisco Pagarete, espera que o processo seja arquivado após 14 de Novembro, altura em que passam seis meses desde o dia em que o luso-britânico foi constituído arguido.

    Em declarações ao jornal, Francisco Pagarete recordou que o normal é que um inquérito criminal dure seis meses, mas pode prolongar-se até dez meses caso o Ministério Público alegue precisar de mais tempo devido à complexidade do caso.

    Além de Murat, apenas os pais de Madeleine, Kate e Gerry McCann, são também arguidos na investigação ao desaparecimento da menina inglesa, desaparecida a 03 de Maio quando dormia com os dois irmãos gémeos num apartamento num empreendimento turístico na Praia da Luz, concelho de Lagos, no Algarve.

    Os pais e irmãos de Madeleine voltaram entretanto para Rothley, no centro de Inglaterra, onde residem, enquanto Murat permanece no Algarve.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.