Açoriano Oriental
Rio acredita que legislatura não chegará ao fim e que está mais perto de ser primeiro-ministro

O líder do PSD disse acreditar que a atual legislatura não chegará ao seu termo em 2023, e que está mais próximo de vir a ser primeiro-ministro, lugar a que disse não querer chegar de “qualquer maneira”.

Rio acredita que legislatura não chegará ao fim e que está mais perto de ser primeiro-ministro

Autor: Lusa/AO Online

Em entrevista à TVI, Rio reiterou o voto contra do PSD na votação final do Oramento do Estado e até admitiu que uma gestão em duodécimos poderia ser preferível a um documento “piorado” pelo PCP e BE.

“É um problema, mas deixe-me dizer que um Orçamento como está e como pode vir a sair [da especialidade], não sei se não é pior”, afirmou.

Questionado então se considera preferível um cenário de eleições antecipadas, o líder do PSD fez questão de separar os planos, mas disse duvidar da estabilidade da legislatura.

“Da maneira como estou a ver, não me parece fácil que a legislatura vá até ao fim”, afirmou, apontando divisões ao nível do apoio parlamentar e até no Governo.

E à pergunta se tal significa que se considera mais próximo de vir a ser primeiro-ministro, respondeu afirmativamente:” Sim, isso acho que sim”.

“Não quero chegar a primeiro-ministro de qualquer maneira. Se ao longo deste tempo for prometendo o impossível, quando chegar a primeiro-ministro já estou diminuído”, disse.

Questionado se o PSD iria repetir na votação final global do orçamento o voto contra da generalidade, Rio disse que se poderia dar essa posição “como garantida” e fez uma previsão muito crítica do processo na especialidade, que arranca na sexta-feira.

“Se o orçamento saísse da especialidade da mesma forma, o que aconteceria é que chumbava, porque o PCP votava contra. Para passar tem de ficar ainda pior do que está agora”, considerou.

O líder do PSD recusou qualquer responsabilidade por uma crise política caso o documento não seja aprovado, voltando a recordar que o líder do PS, António Costa, disse ao Expresso que o seu Governo acabaria se precisasse do PSD para aprovar orçamentos.

“Se eu votasse a favor, o Governo acabava, nem é equação”, disse.

Rui Rio reiterou que o problema da proposta orçamental se colocará “não no imediato, mas no futuro” e invocou os alertas do ex-ministro das Finanças e atual governador do Banco de Portugal, Mário Centeno, que considera irem no mesmo sentido.

“Temos de ter muito cuidado e não quero que o país volte a passar amanhã o que passou há pouco tempo”, advertiu, numa referência ao pedido de ajuda externa em 2011.

No final da entrevista, Rio foi questionado sobre o tema das presidenciais e o que faria se Marcelo Rebelo de Sousa - a quem o PSD já formalizou o seu apoio - decidir, afinal, não se recandidatar.

“Mas vai recandidatar-se, não me disse isto, mas deve anunciar lá para 25, 26 ou 27 de novembro. Marca as eleições e anuncia a seguir. Agora estou eu a fazer de comentador”, ironizou.

Sobre estas eleições que deverão ser marcadas para 24 de janeiro, Rui Rio considerou que já existe “um derrotado, que é o Partido Socialista”, que decidiu não apoiar formalmente qualquer candidato.

“O PCP tem um candidato, o BE tem um candidato, até o Chega. Eu acho que o PSD, as presidenciais, à custa de Marcelo Rebelo de Sousa vai ganhar - o candidato que apoia, não é o PSD - mas há uma certeza maior que é que o PS já perdeu”, disse.


 
PUB
Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.